Tamanho do texto

Número de mortos no ataque ao metrô de São Petersburgo foi atualizado nesta terça pelo Ministério da Saúde; quatro pessoas morreram mais tarde

Autoridades da Rússia fecharam o metrô de São Petersburgo após o atentado terrorista que deixou mortos e feridos
Reprodução/The Telegraph
Autoridades da Rússia fecharam o metrô de São Petersburgo após o atentado terrorista que deixou mortos e feridos

O Ministério da Saúde da Rússia informou nesta terça-feira (4) que o número de mortos no atentado terrorista ocorrido nessa segunda-feira (3) no metrô de São Petersburgo, segunda maior cidade russa, subiu de 10 para 14. Mais de 50 pessoas ficaram feridas no ataque. 

Leia também: Por que a inteligência dos EUA acha que a Rússia interferiu na eleição de Trump

"Hoje, podemos confirmar a morte de 14 pessoas: foram 11 no local no acidente e três em consequência dos ferimentos", disse a ministra da Saúde, Veronika Skvortsova. Ela explicou que durante a noite os serviços de emergência localizaram mais quatro vítimas do atentado terrorista .

Além disso, 49 pessoas ainda estão internadas em hospitais da região, com ferimentos e queimaduras, enquanto 13 já tiveram alta.

Para a prevenção de novos atentados, as autoridades reforçaram as medidas de segurança em toda a cidade e na capital russa, Moscou, tanto nos transportes quanto em edifícios públicos, praças, escolas e creches.

Quirguistão

Segundo os serviços secretos do Quirguistão, tudo indica que um cidadão do país centro-asiático seja o autor do atentado, que ocorreu quando o presidente russo, Vladimir Putin, se encontrava em São Petersburgo.

Leia também: Autoridades russas buscam dois suspeitos por explosões em metrô nesta segunda

O suspeito foi identificado como Akbarzhon Djaliliv, nascido em 1995, mas que posteriormente obteve a cidadania russa.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que a tragédia de São Petersburgo demonstra a necessidade de lutar juntos contra o terrorismo.

O atentado ocorreu pouco antes das 15h (horário local, 9h em Brasília) desta segunda, dia em que era reiniciado o ano letivo após as férias de primavera na Rússia.

A explosão ocorreu entre duas estações da Linha Azul - Sennaya Ploschad e Tekhnologitchesky Institut -, mas o maquinista do trem atingido não parou no túnel e seguiu até a primeira estação, o que facilitou o trabalho de salvamento.

Leia também: Rússia tem informações para chantagear Trump, revela dossiê vazado pela imprensa

O atentado terrorista poderia ter deixado ainda mais vítimas. Isso porque outra bomba caseira foi desativada pelo esquadrão antibomba na Estação de Metrô Ploschad Vosstania, em frente à principal estação ferroviária da cidade (Moskovskiy).

* Com informações da Agência Brasil.