Polícia tinha informado que o atentado terrorista deixara 40 feridos, mas atualizou o balanço oficial nesta sexta para 50
Repropução/Twitter
Polícia tinha informado que o atentado terrorista deixara 40 feridos, mas atualizou o balanço oficial nesta sexta para 50

A polícia britânica atualizou para 50 o número de feridos no atentado que deixou cinco mortos, incluindo o terrorista, próximo à ponte Westminster, do lado de fora do Parlamento de Londres, na última quarta-feira (22). 

Leia também: Atentado terrorista perto do Parlamento britânico deixa ao menos cinco mortos

Mais cedo, a polícia havia afirmado que o atentado terrorista havia deixado 40 feridos, mas o balanço oficial desta sexta-feira (24) acrescentou 10 pessoas que não haviam sido contabilizadas, por terem sido atendidas em outros hospitais ou em casa. Entre os feridos, segundo informações oficiais, duas pessoas estão em estado grave.

Das vítimas fatais, uma foi o próprio agressor e outra foi o policial esfaqueado pelo terrorista, quando o criminoso tentou invadir o Parlamento. Além deles, morreram um turista norte-americano, uma professora britânica de origem espanhola e um aposentado de 75 anos, que estava atravessando a ponte após descer de um ônibus.

Polícia atirou contra homem que tentou entrar no prédio do Parlamento nesta quarta-feira
Reprodução/Twitter
Polícia atirou contra homem que tentou entrar no prédio do Parlamento nesta quarta-feira

O atentado ocorreu na última quarta, por volta das 11h locais, quando o britânico Adrian Russell Ajao, conhecido também como Khalid Masood, de 52 anos, atropelou dezenas de pessoas dirigindo um carro desgovernado em direção ao Parlamento de Londres.

Leia também: Veja quem são as vítimas do atentado terrorista em Londres

Após bater o carro, ele desceu do veículo e foi em direção ao prédio da sede do governo britânico, onde esfaqueou um policial e acabou morto a tiros pela segurança do Parlamento.

Você viu?

Nove presos

Duas pessoas foram presas nesta sexta por suspeita de envolvimento com o atentado. O chefe Scotland Yard (a unidade antiterrorista da polícia britânica), Mark Rowley, afirmou que as prisões aconteceram na madrugada e foram "significativas".

Os suspeitos foram presos no centro e no norte da Inglaterra. Rowley pediu o apoio da população para fornecer informações sobre o responsável pelo atentado. São nove os presos por suspeita de envolvimento com o atentado. Uma mulher presa pouco após o ataque pagou fiança e foi colocada em liberdade. As informações são da agência argentina Télam .

O dia seguinte 

A identidade do autor do atentado foi revelada nesta quinta-feira (23), dia em que o Parlamento britânico retomou suas atividades, começando o dia com um minuto de silêncio em homenagem às vítimas e um discurso da primeira-ministra Theresa May.

May afirmou que o terrorismo não prevalecerá e estimulou o país a continuar suas atividades após o atentado ao Parlamento
Reprodução/Twitter
May afirmou que o terrorismo não prevalecerá e estimulou o país a continuar suas atividades após o atentado ao Parlamento

Em seu pronunciamento, May defendeu que Londres retome suas atividades de rotina como uma resposta dura ao terrorismo. "Neste momento é importante mostrarmos que são os nossos valores que prevalecerão, que os terroristas não ganharão”, disse. “Nós não estamos com medo”.

Leia também: Terrorista de Londres era britânico e já foi investigado por terrorismo, diz May

Também nesta quinta, o grupo terrorista Estado Islâmico assumiu a autoria do atentado. A reivindicação do atentado foi feita numa publicação compartilhada por um jornalista do jornal alemão Bild . Como o autor do ataque morreu, não há como confirmar se o ataque foi mesmo de autoria do grupo terrorista.

* Com informações da Agência Ansa.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários