Mediado pelo governo de Cuba, acordo entre as Farc e a Colômbia foi assinado em novembro do ano passado
César Carrión / SIG - 24.11.2016
Mediado pelo governo de Cuba, acordo entre as Farc e a Colômbia foi assinado em novembro do ano passado

O governo Cuba reforçou nesta semana a oferta à Colômbia e às Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) de mil bolsas de estudo de medicina na Ilha. O objetivo dos cubanos é contribuir para o êxito do acordo de paz firmado entre as partes.

Leia também: Sem consulta pública, governo da Colômbia e Farc assinam novo acordo de paz

A proposta já havia sido apresentada há alguns meses e foi reiterada pelo embaixador de Cuba em Bogotá, José Luis Ponce, à Comissão de Acompanhamento, Verificação e Implementação do Acordo de Paz, formada pelo governo colombiano e as Farc. As informações são da agência alemã DPA.

Victoria Sandino, que integra a delegação negociadora das Farc , confirmou o recebimento da carta e disse que seu grupo agradece ao governo cubano pela oferta. "Seriam 100 bolsas anuais, não são as 1.000 de uma vez, para que ano a ano se vá cumprindo a meta. A direção das Farc determinará quem serão os beneficiados com as bolsas", disse.

O documento enviado pelo embaixador cubano indica que as bolsas beneficiarão 500 pessoas selecionadas pelas Farc e outras 500 pelo governo colombiano, que provavelmente beneficiará as vítimas do conflito armado. Por meio do Twitter, as Farc agradeceram a iniciativa anunciada pela equipe do presidente Raúl Castro .

Você viu?

Leia também: Qual será o destino dos soldados das Farc?

Ponce informou ainda que o governo cubano entregará à Colômbia e às Farc um documento apresentando detalhes do oferecimento das bolsas e que os trâmites burocráticos ainda estão em processo de preparação pelas autoridades do país.

Monumento à Paz

As negociações de paz entre o governo colombiano e as Farc se arrastaram por quatro anos. O acordo de paz, que entrou em vigor no início de dezembro de 2016, marcou o início de um processo de interrupção de um período de 52 anos de violência, que resultou na morte de mais de 200 mil colombianos e no deslocamento de mais de 6 milhões para outros locais.

Leia também: Brasileiros ocuparão 900 das vagas que eram de cubanos no Mais Médicos

Os quase 7.000 membros das Farc estão concentrados desde o mês passado em 26 setores específicos do país para preparar sua reincorporação à vida legal. As armas serão entregues em três fases à ONU (Organização das Nações Unidas), que em fins de maio as destinará à elaboração de três monumentos à paz que ficarão expostos na sede principal da ONU em Nova York, na Colômbia e em Cuba.


* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários