Capital da Síria, Damasco tem sido cenário recorrente de atentados terroristas como o ocorrido neste sábado (11)
Anadolu Agency
Capital da Síria, Damasco tem sido cenário recorrente de atentados terroristas como o ocorrido neste sábado (11)

A Frente Nusra ligada à Al-Qaeda assumiu neste domingo (12) a responsabilidade pelos atentados que abalaram a capital síria, Damasco, um dia antes e mataram 74 pessoas. O anúncio veio um dia depois que outro grupo rebelde chamado Levant Swords disse em uma declaração que estavam fazendo os atentados.

Leia também: Atentado deixa ao menos 33 mortos e 120 feridos em santuário na Síria

Os rebeldes alegam que os iraquianos xiitas não eram peregrinos em santuários em Damasco, mas sim combatentes que apoiam as forças do governo da Síria contra a rebelião de anos.

No sábado, dois atentados foram realizados perto de um cemitério na área de Shaghour, na parte antiga de Damasco.

A primeira explosão foi realizada através de um dispositivo explosivo que disparou perto de um grupo de ônibus que levavam visitantes iraquianos xiitas ao cemitério Bab al-Saghir para visitar santuários xiitas, como parte das práticas dos peregrinos xiitas.

Você viu?

Leia também: Arqueólogos egípcios encontram estátua gigante de faraó Ramsés II no Cairo

Depois da primeira explosão, passageiros de nove ônibus se reuniram para ver o que tinha acontecido, quando um homem-bomba usando um colete detonou-se entre a multidão, matando 74 deles e ferindo quase 100 outros, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

País em guerra

A guerra na Síria está entrando no seu sétimo ano e a Agência da ONU para Refugiados, pede "medidas drásticas para fortalecer a paz e a segurança no país", antes que a situação piore. A agência está encorajando a comunidade internacional a redobrar o seu apoio aos deslocados pelo conflito para amenizar o intenso sofrimento de "milhões de civis inocentes".

O atual dirigente do Alto Comissariado da ONU para Refugiados  (Acnur), Filippo Grandi, declarou que a " Síria está numa encruzilhada". Cerca de 13,5 milhões de pessoas no país precisam receber ajuda humanitária, sendo que 6,3 milhões são deslocados internos. O Acnur lembra que milhares de sírios fizeram viagens arriscadas por terra e mar em busca de segurança.

Segundo a agência, quase três milhões de crianças cresceram na Síria sem saber como é viver num local sem conflito , já que, quando nasceram, o país já estava em guerra.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários