Tamanho do texto

Após encontrar três esqueletos antigos durante as obras, a rede de fast-food resolveu financiar a revitalização do local e fazer um "restaurante-museu"

Estrada antiga e vestígios dos corpos foram descobertos durante a construção de um restaurante da rede McDonald's
Reprodução/Twitter/ @crystallyn
Estrada antiga e vestígios dos corpos foram descobertos durante a construção de um restaurante da rede McDonald's

Uma visita a um restaurante da rede McDonald's, na cidade de Marino, a cerca de 24 quilometros a sudeste de Roma – capital da Itália, oferece uma experiência cultural diferente: uma antiga estrada romana subterrânea de 45 metros, que está totalmente integrada à rede de fast-food, com um piso de vidro por meio do qual os clientes podem vislumbrar a passarela enquanto espera na fila.

Leia também: "Starburca": Após contratar refugiados, Starbucks é alvo de protestos na Espanha

O espaço representa o primeiro "restaurante-museu" do McDonald's . A estrada, que foi construída entre os séculos I e II a.C, foi escavada, estudada e preservada em uma galeria subterrânea que apresenta painéis educacionais descrevendo o que arqueólogos aprenderam sobre ele. 

O local ficou famoso após terem sido encontrados, em 2014, três esqueletos de mulheres que teriam sido sepultadas ali entre os séculos 2 e 3 d.C. Os vestígios dos corpos foram descobertos durante a construção do restaurante. Acredita-se que o caminho era uma espécie de "túnel" que ligava a Via Ápia (estrada da Roma Antiga) à vila de nobres da cidade antiga de Bovillae. Especialistas fizeram moldes de resina dos ossos que estão agora em exibição na galeria, os originais serão estudados.

Leia também: Coreia do Sul fecha mercado de carne de cachorro antes de Jogos de Inverno

A restauração foi um projeto da Superintendência Arqueológica da Área Metropolitana de Roma, Viterbo e Etrúria Meridional. Toda a revitalização, que custou cerca de 300 mil euros (aproximadamente R$ 990 mil), foi financiada pela rede de fast-food norte-americana e supervisionada pelo Ministério da Cultura da Itália. Segundo o jornal "The New York Times", a galeria é fechada por um portão e monitorada com câmeras de vigilância, e a McDonald's Itália prometeu pagar por sua manutenção.

Leia também: Trump defende o nacionalismo e diz que "representa os EUA, não o mundo"

De graça

Para os viajantes curiosos, uma boa notícia: a visita ao local é permitida, gratuita e o acesso não precisa ser feito por meio do restaurante do McDonald's. Durante o percurso, é possível apreciar a sensação de caminhar sobre as mesmas pedras pisadas pelo imperador romano Tibério, pelo poeta Horácio e por São Paulo.

* Com informações da Ansa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.