Tamanho do texto

Ativistas muçulmanos se solidarizaram com dor dos judeus e esperam que campanha sirva como uma mensagem de união contra o ódio e o preconceito

Depois que o histórico cemitério Chesed Shel Emeth foi vandalizado, muçulmanos decidiram agir em apoio aos judeus
Reprodução/Twitter
Depois que o histórico cemitério Chesed Shel Emeth foi vandalizado, muçulmanos decidiram agir em apoio aos judeus

Dois ativistas muçulmanos abriram uma arrecadação coletiva online para a reparação de lápides vandalizadas em um cemitério judeu em Saint Louis, nos Estados Unidos. A ação teve início na terça-feira (21) e arrecadou US$ 80 mil (R$ 24 mil) em apenas 24 horas.

LEIA MAIS: Trump anula norma que permitia transgênero escolher banheiro nas escolas dos EUA

Quando quase 200 lápides amanheceram depredadas no cemitério Chesed Shel Emeth, os americanos muçulmanos ativistas Linda Sarsour e Tarek El-Messidi decidiram reagir em solidariedade à comunidade judaico-americana.

A campanha tinha como objetivo inicial arrecadar US$ 20 mil (R$ 60 mil) em uma semana, mas o valor foi atingido em apenas três horas e, atualmente, já foram doados mais de US$ 116 mil (R$ 348 mil). Os organizadores afirmam que, depois da restauração completa do cemitério, o excedente será doado para outros centros judaicos vandalizados no país.

O cemitério Chesed Shel Emeth é onde judeus de Saint Louis tradicionalmente enterram seus familiares desde o final do século XIX. O local é considerado histórico porque nele descansam alguns sobreviventes do holocausto.

LEIA MAIS: Após três tentativas frustradas de entrar nos EUA, mexicano se mata em fronteira

“Através dessa campanha esperamos mandar uma mensagem das comunidades judaica e muçulmana, de que não há espaço para esse tipo de ódio, depredação do sagrado e violência nos Estado Unidos. Rezamos para que essa ação restaure a sensação de segurança e paz aos judeus, que com certeza foram abalados pelo ocorrido”, escreveram os responsáveis pela arrecadação.

Apoio da presidência

Na terça-feira o presidente Donald Trump falou sobre as recentes violências contra os judeus. “As ameaças antissemitas direcionadas à nossa comunidade judaica e aos centros comunitários são horríveis, dolorosas e um triste lembrete de que ainda há muito trabalho a ser feito para desenraizar o ódio, o preconceito e o mal”.

O vice-presidente Mike Pence visitou o cemitério na quarta-feira (22) e disse a voluntários, oficiais e repórteres que “nos Estados Unidos não há espaço para ódio, violência, antissemitismo e atos de preconceito”.

LEIA MAIS: Para 'ser acessível ao povo', Trump vai a clube com mensalidade de R$ 620 mil

A maior ajuda, entretanto, continua sendo dos ativistas muçulmanos. A arrecadação permanecerá disponível aqui  até 21 de março e é possível participar com a doação de qualquer quantia, em qualquer lugar do mundo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.