Tamanho do texto

Segundo a ONG islâmica turca Humanitarian Relief (IHH), o menino, chamado Abdulbasit, também perdeu a irmã e a mãe no bombardeio

Nas fotos e vídeos feitos após o bombardeio que tirou suas pernas, o menino Abdulbasit aparece sem qualquer reação
Twitter/ Humanitarian Relief/ Reprodução
Nas fotos e vídeos feitos após o bombardeio que tirou suas pernas, o menino Abdulbasit aparece sem qualquer reação

As crianças sírias continuam pagando pela guerra em seu país. Em mais uma série de imagens divulgada por ativistas, um menino de apenas 10 anos é socorrido pelo pai após perder as pernas em um bombardeio. Ele chora e pede que o pai o pegue no colo.

LEIA MAIS: Criança de nove anos declara apoio ao Estado Islâmico em sala de aula britânica

Segundo a ONG islâmica turca Humanitarian Relief (IHH), o menino , chamado Abdulbasit, também perdeu a irmã e a mãe no bombardeio. “Uma família foi destruída pelo regime cruel e seus aliados”, publicaram os ativistas em sua página no Twitter.

O caso ocorreu na quinta-feira (16) em Idlib, que fica na região noroeste da Síria. Segundo reportagem da CNN, o Observatório Sírio de Direitos Humanos, baseado no Reino Unido, afirmou que o ataque veio dos aviões de combate do Exército sírio. Não houve, entretanto, nenhum comentário do regime sírio ou da mídia estatal síria.

Abdulbasit foi levado pelo IHH para Turquia, para que possa passar por tratamento. Nas fotos e vídeos feitos após o bombardeio, o menino aparece ser reação: não chora, não sorri, não fala.

Conhecida por denunciar as precárias situações de vida na cidade de Alepo , a menina síria Bana Alabed, de 7 anos, também está morando na Turquia e realizou uma visita a Abdulbasit neste sábado (18).

Bana Alabed, conhecida por denunciar as condições de vida na Síria, tentou alegrar Abdulbasit com presentes
Twitter/ Humanitarian Relief/ Reprodução
Bana Alabed, conhecida por denunciar as condições de vida na Síria, tentou alegrar Abdulbasit com presentes

Parte do encontro foi transmitido ao vivo em sua conta no Twitter. Apesar do esforço da pequena em alegrar Abdulbasit, inclusive com alguns presentes, o menino continuava sem demonstrar qualquer alegria ou tristeza e pouco conversou com quem estava no quarto do hospital.

“Meus amigos, por favor, ajudem as crianças da Síria”, pediu Bana ao falar para as pessoas que acompanhavam a transmissão. “Nós vamos para a escola, nós vamos brincar, a guerra não vai nos parar. Nós somos fortes”, completou. O vídeo já foi visto mais de 23,9 mil vezes. Na sexta-feira (17), quando ficou sabendo do ocorrido, também compartilhou um vídeo dizendo que estava muito triste.


Bana Alabed

A menina ganhou destaque na imprensa mundial ao usar uma conta no Twitter para relatar as dificuldades de que enfrentava em Aleppo. As publicações são em inglês, já que Bana conta com a ajuda de sua mãe, Fatemah. Em um dos dias, as duas chegaram a se despedir dos seguidores porque pensaram que iriam morrer.

LEIA MAIS: Menina síria manda carta para Trump pedindo proteção às crianças de seu país

A conta chegou a ter quase 200 mil seguidores, mas acabou desativada, gerando grande preocupação em todos que acompanhavam a rotina da família. Hoje, já conta com mais de 366 mil.

Assim como o menino sírio que acabou perdendo as pernas esta semana, Bana e a família foram levados para a Turquia após serem resgatados em dezembro do ano passado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.