Tamanho do texto

Manifestação foi organizada depois que policial proibiu que três mulheres continuassem a fazer topless na praia de Necochea, ao sul de Buenos Aires

Reprodução/Twitter
"Tetazo" aconteceu em quatro cidades do país, reunindo centenas de argentinas com os seios de fora ou só de sutiã

Centenas de mulheres se reuniram nesta terça-feira (7) no Obelisco de Buenos Aires, na Argentina, para protestar pela liberdade das mulheres para fazer topless e manter os seios descobertos em praias do país.

LEIA MAIS: "Achei que fosse ser rasgada ao meio", conta mulher vítima de estupro pelo ex

O “tetazo”, como foi chamada a manifestação a favor da “soberania dos corpos”, reuniu centenas de argentinas com os seios  à mostra ou usando sutiã em Buenos Aires. O protesto também aconteceu em outras cidades do país, como Rosario, Mar del Plata e Córdoba.

Ativistas feministas organizaram o encontro depois que uma patrulha policial proibiu que três mulheres exibissem seus peitos e continuassem a fazer topless na praia de Necochea, a aproximadamente 500 quilômetro de Buenos Aires.

A ação policial dividiu opiniões do público da praia. Enquanto alguns banhistas criticavam a abordagem das autoridades, outros concordavam com a proibição e hostilizavam as mulheres que não usavam a parte de cima da roupa de banho.

LEIA MAIS: Contra decreto que descriminaliza corrupção no país, 500 mil romenos vão às ruas

Levado à justiça, o caso foi arquivado pelo juiz Mario Juliano por “falta de relevância”. Entretanto, mais tarde, o magistrado publicou nos jornais um texto em primeira pessoa defendendo as mulheres. "A defesa irrestrita das liberdades me leva a tomar uma posição a favor das mulheres que decidiram descobrir seus seios", escreveu.

O “tetazo” não recebeu o mesmo apoio. No meio da manifestação, mulheres precisaram gritar palavras de ordem contra homens que compareceram ao evento não pela causa, mas sim para ver o peito nu das manifestantes.

"É muito grave que nós convoquemos um 'tetazo' e que os primeiros a chegar são homens, não para apoiar a causa, mas sim para nos olhar. Isso diz muito da nossa sociedade", disse Grace Brounosti Piquet, uma das manifestantes no ato, ao jornal argentino "La Nación".

LEIA MAIS: 'Tive de fazer sexo com 50 homens', diz menina vítima de grupo criminoso

A atriz e ativista Mariana Pizarro teve sua conta do Facebook bloqueada logo depois de publicar uma foto apoiando o movimento no pedaço argentino das Cataratas do Iguaçu. Na imagem, ela aparecia com os braços para o alto e os seios à mostra.

“Trata-se de um verdadeiro ato de censura. Eu utilizo esse sistema para fins profissionais. Eu fiz o 'topless' em Iguaçu em solidariedade às meninas de Necochea, como aconteceu em toda a Argentina", afirmou sobre a foto em que expunha os seios.


*Com informações de Ansa Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.