Tamanho do texto

Em 13 de janeiro de 2012, também na sexta-feira, o navio naufragou na ilha de Giglio em um acidente que deixou 32 mortos e 157 feridos. Relembre

O cruzeiro Costa Concordia ficou ancorado por dois anos na ilha de Giglio até ser transportado para passar por desmanche
Wikimedia Commons
O cruzeiro Costa Concordia ficou ancorado por dois anos na ilha de Giglio até ser transportado para passar por desmanche

Há exatos cinco anos, também em uma sexta-feira 13, uma tragédia anunciava ao mundo que o dia seria de tristeza: o navio Costa Concordia colidiu com corpos rochosos próximos à ilha de Giglio, em Toscana, na Itália, já perto das 22h. Naquele dia, o acidente chocou o mundo por suas 32 mortes e pela inclinação da navegação. 

+ Naufrágio de barco de imigrantes deixa quase 100 desaparecidos no Mediterrâneo

Com o choque do navio nas pedras marítimas, um buraco de 70 metros se abriu ao lado esquerdo do casco do Costa Concordia , causando o naufrágio da embarcação que contava com mais de quatro mil pessoas, das quais 32 morreram e 157 ficaram feridas.

O acidente, na verdade, foi um ato de irresponsabilidade do comandante Francesco Schettino, que optou por “navegar segundo o seu instinto marinho, mais próximo da ilha, confiando na sua habilidade”, conforme foi dito pelos juízes do caso.

+ Comandante que abandonou navio em naufrágio é condenado a 16 anos de prisão

O comandante Schettino foi considerado culpado pela colisão e foi condenado a 16 anos e um mês de prisão, interdição perpétua dos escritórios públicos e interdição de cinco anos como comandante de qualquer embarcação.  Além disso, foi proibido de praticar qualquer profissão marítima por cinco anos. A pena foi confirmada em maio de 2016.

Outras cinco pessoas que trabalhavam a bordo do cruzeiro se declararam parcialmente culpadas e foram condenadas a penas menores, com duração entre um ano e seis meses, e dois anos e 10 meses.

+ Refugiado do Myanmar: foto de bebê de 16 meses morto em naufrágio comove o mundo

Nesta sexta-feira 13, aniversário de cinco anos da tragédia, a ilha de Giglio ficou repleta de homenagens às vítimas. Uma missa estava marcada na igreja Santi Lorenzo e Mamiliano, sendo realizado um minuto de silêncio. Além disso, uma coroa de flores foi jogada ao mar e uma procissão de velas estava combinada até a lápide dos 32 mortos, no cais.

Desmanche

Depois de ficar ancorado por dois anos em Giglio e se tornar ponto turístico da ilha, o navio foi transportado para o porto de Gênova, na Ligúria, para ser desmantelado. O cruzeiro chegou à cidade em julho de 2014, mas só agora, cinco anos após a colisão, o Costa Concordia está em sua etapa final de desmanche.


* com informações de ANSA Brasil