Tamanho do texto

Ataque ocorreu no norte do Sinai e deixou pelo menos 10 feridos; caminhão-tanque estava desaparecido e já estava sendo procurado pela polícia egípcia

Soldados israelenses supervisionam construção de cerca na Península do Sinai (15/02)
NYT
Soldados israelenses supervisionam construção de cerca na Península do Sinai (15/02)

Pelo menos oito policiais foram mortos, nesta segunda-feira (9), em um ataque com um caminhão-bomba que foi lançado contra um posto de controle no norte do Sinai, no Egito.

+ Leia tudo sobre o Estado Islâmico

Segundo fontes locais, um motorista suicida lançou seu caminhão, cheio de explosivos, contra um posto de controle na cidade de Al-Arish. Em seguida, homens abriram fogo contra os policiais. Além dos policiais mortos, o motorista morreu e outras dez pessoas ficaram feridas no ataque .

"As forças de segurança estavam em alerta e repeliram (o veículo) atirando sem hesitar, o que levou à explosão e à morte do motorista", disse o Ministério do Interior em nota. Ainda segundo a nota, era de conhecimento que o caminhão-tanque estava desaparecido e buscas estavam acontecendo quando o ataque aconteceu.

De acordo com o site do jornal Jerusalem Post , entre os feridos, estariam sete policiais e três civis.

Em um segundo ataque, uma bomba na estrada explodiu perto de um outro posto de controle de Al Arish, ao sul, matando um oficial do exército e ferindo outros três, afirmaram fontes da segurança.

Autoria dos ataques

Embora nenhum dos dois atos tenha sido reivindicado por nenhum grupo, as autoridades locais trabalham com a hipótese de ação premeditada com fins terroristas.

+ PCC não precisa de líderes para acontecer, diz autora de livro sobre a facção

Nos últimos meses, o posto de Al Arish e seus arredores foram alvos de muitos ataques reivindicados pela Província do Sinai, o braço egípcio do grupo extremista Estado Islâmico (EI), que controla grandes partes do Iraque e da Síria.

Segundo informações do governo do Egito, centenas de policiais e soldados morreram nestes atentados.

O presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sissi, que derrubou quando era chefe das Forças Armadas seu antecessor islamita Mohamed Mursi, em 2013, realiza, desde então, uma repressão sangrenta contra qualquer oposição no Egito, tanto islamita quanto laica.

Estado Islâmico

Neste domingo (8), ao menos 19 pessoas foram mortas em dois atentados suicidas em Bagdá, no Iraque. Os ataques também deixaram 54 feridos.

O primeiro dos atentados, que deixou 12 mortos, foi causado por um carro-bomba detonado na entrada do principal mercado de frutas e legumes da capital iraquiana, no bairro Cidade de Sadr, afirmaram as fontes. O atentado também feriu mais 39 pessoas.

Já o segundo ataque, feito algumas horas depois, deixou mais sete mortos e 15 feridos. Na ação, suicida detonou um colete com explosivos em um mercado do bairro de Al Baladiat, localizado no leste de Bagdá

Após período de relativa calma, a capital iraquiana enfrenta uma onda de ataque após ataque  desde o lançamento, em 17 de outubro, da ofensiva para recuperar Mossul, a segunda maior cidade e reduto dos extremistas do Estado Islâmico.

* Com informações da Agência Ansa.

    Leia tudo sobre: estado islâmico