Tamanho do texto

Homem do Uzbequistão faria parte do grupo extremista Estado Islâmico e teria sido o responsável pela morte de 39 pessoas no dia 1º de janeiro

Polícia investiga se suspeito por atentado em boate integra célula do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico
Divulgação/Polícia de Istambul
Polícia investiga se suspeito por atentado em boate integra célula do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico

A polícia turca afirmou ter identificado o autor do atentado contra a boate Reina, em Istambul, no dia 1º de janeiro . Abdulkadir Masharipov teria sido o responsável pela morte de 39 pessoas, segundo informou o jornal local Hurriyet neste domingo (8).

Dias antes, autoridades anunciaram que o autor havia sido identificado como Iakhe Mashrapov , natural do Quirguistão, porém o homem de 28 anos foi liberado. De acordo com o site The Sun, os policiais descobriram ter se equivocado e ainda pediram desculpas a Iakhe.

O novo suspeito é proveniente do Uzbequistão e faria parte do grupo extremista Estado Islâmico. Ele teria chegado na província de Konya no dia 15 de dezembro, onde preparou a ação. Ainda de acordo com a publicação, uma célula do EI na região continua a proteger o atirador durante sua fuga. Agora, ele estaria usando o nome de Ebu Muhammed Horasani.

Atentado

A ação foi reivindicada pelo Estado Islâmico. A organização afirmou em um comunicado que o ato foi realizado por um "soldado heróico". Ao menos 600 pessoas celebravam a virada do ano no local quando o homem abriu fogo.

Reina, em Istambul, em foto tirada em setembro de 2015
Brunno Kono/iG São Paulo
Reina, em Istambul, em foto tirada em setembro de 2015

+ Estado Islâmico assume ataque que matou 39 em Istambul: o que se sabe até agora

O atirador chegou de táxi ao local às 1h30 do horário local (21h30 no horário de Brasília) e pegou uma arma de cano longo de que estava no porta-malas. As primeiras vítimas foram um segurança e um agente de viagens ainda do lado de fora da boate. Foram 180 balas disparadas antes do atirador fugir.

"Tive de tirar vários corpos de cima de mim"

À Associated Press, Sinem Uyanik afirmou que viu diversos corpos dentro do local: "Meu esposo caiu em cima de mim antes que eu pudesse entender o que estava acontecendo. Tive de tirar vários corpos de cima de cima para que eu pudesse sair". O marido de Sinem, Lutfu, foi ferido, mas sem gravidade.

*Com informações da agência Ansa