Tamanho do texto

O navio, que é conhecido por ter afundado após colidir com um iceberg em 1912, pode ter afundado por causa de um incêndio controlado nas caldeiras

Ao lado esquerdo do navio é possível ver uma marca escura que seria resultado de um incêndio controlado de longa duração
Divulgação/Royal B. C. Museum
Ao lado esquerdo do navio é possível ver uma marca escura que seria resultado de um incêndio controlado de longa duração

Não é novidade que o Titanic afundou depois de colidir com um iceberg. Entretanto, novas evidências sugerem que esse não foi o único fator que levou à morte mais de 1500 passageiros: após 104 anos da tragédia do Titanic, imagens do navio comprovam que um incêndio controlado teve grande impacto na estrutura do gigante de aço, fazendo com que se tornasse menos resistente a impactos e, portanto, mais vulnerável para submergir. 

Cem anos depois, Titanic mantém fascínio e perguntas sem resposta

A existência de um incêndio já era conhecida há alguns anos, mas nas fotografias reveladas recentemente fica claro que o fogo pode ter sido maior do que estimado. No casco lateral do navio é possível ver uma marca escura que seria resultante do incêndio. “Ninguém havia investigado essas manchas anteriormente. Isso muda completamente a narrativa”, disse o jornalista pesquisador do Titanic, Sanen Molony, ao jornal britânico “The Times”.

Outra prova de que o fogo foi mais potente do que se imaginava é a velocidade com que a embarcação navegava enquanto passava pelos icebergs, já que o aumento de velocidade era uma estratégia conhecida na época para queimar carvão e diminuir o fogo. Assim, se a velocidade de navegação fosse condizente com o risco apresentado pela região, que era cheia de pedaços de gelo, talvez fosse possível desviar do iceberg.

Seria este o iceberg que afundou o Titanic?

“Não é simplesmente uma história de colisão com iceberg e afundamento. É uma tempestade perfeita de fatores extraordinários se unindo: fogo, gelo e negligência”, afirmou Molony. Apesar das novas evidências, nem todos os especialistas no assunto acham a teoria do fogo como principal fator plausível.

A especulação já é divulgada desde 2004, quando foram encontradas possíveis evidências, mas mesmo com imagens, muitos recusam a acreditar que o Titanic não afundou unicamente por causa da colisão. O ex-secretário da Sociedade Britânica do Titanic, David Hill, é um dos incrédulos. “Com certeza houve um incêndio. Foi um fator determinante? Em minha opinião, não fez diferença alguma”, afirmou.

Cardápio da última refeição servida no Titanic é leiloado por US$ 88 mil

O navio e a colisão que ganharam fama ao longo dos anos foi eternizado por Hollywood em forma de filme. Homônimo, Titanic estrelou Leonardo DiCaprio e Kate Winslet e venceu 11 Oscars em 1998, ano seguinte de seu lançamento.