Tamanho do texto

O pontífice disse ainda que espera que os Movimentos Populares entrem na política; sobre o novo presidente dos EUA, o líder católico disse "não julgar"

Instagram/ Pope Francis/ Reprodução
"São os comunistas os que pensam como os cristãos", afirma o papa Francisco

O papa Francisco afirmou que "são os comunistas os que pensam como os cristãos", ao ser perguntado se a Igreja Católica apoiaria uma sociedade de inspiração marxista. A declaração foi feita em uma entrevista publicada nesta sexta-feira (11) pelo jornal italiano La Repubblica .

LEIA TAMBÉM:  "Tenho uma queda por senhoras animadas", diz Papa Francisco em entrevista

"São os comunistas os que pensam como os cristãos. Cristo falou de uma sociedade onde os pobres, os frágeis e os excluídos sejam os que decidam. Não os demagogos, mas o povo, os pobres – que têm fé em Deus ou não –, são eles quem temos que ajudar a obter a igualdade e a liberdade", declarou o papa Francisco .

O papa disse ainda que espera que os Movimentos Populares entrem na política. "Não nas lutas de poder, no egoísmo, na demagogia, no dinheiro, mas na política criativa e de grandes visões", esclarece.

Preocupação com os EUA

O pontífice evitou falar sobre o recém-eleito presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas afirmou que não o julga e que prefere observar seu comportamento durante o governo.

VEJA AINDA:  Papa Francisco diz que Brasil atravessa "momento triste"

"Eu não faço julgamentos sobre pessoas ou figuras políticas. Só quero entender quais são os sofrimentos que eles causam aos pobres e excluídos por seu modo de agir", disse ao ser perguntado sobre o que pensava do magnata republicano.

No entanto, ao ser questionado sobre quais os sofrimentos que mais o deixam preocupado, o pontífice mostrou posição completamente oposta às promessas da campanha eleitoral do norte-americano. Segundo ele, a maior preocupação atual é "a dos refugiados e dos imigrantes".

Papa Francisco em visita ao México
Presidencia de la República Mexicana - 12.02.2016
Papa Francisco em visita ao México

"Infelizmente, muitas vezes, há apenas medidas contrárias às populações que temem ficar sem trabalho e reduzir seus salários. O dinheiro é contra os pobres e contra os imigrantes e refugiados, mas também há os pobres dos países ricos, aqueles que temem o acolhimento dos semelhantes provenientes de países pobres. É um ciclo perverso e deve ser interrompido", acrescentou.

Sem citar um caso específico, o papa afirmou que é preciso "destruir os muros que dividem" e "construir pontes que permitam a diminuição das desigualdades e acrescentam a liberdade e os direitos". "Mais direitos e mais liberdade", destacou.

Trump "não é cristão"

Esta não é a primeira vez que o líder católico é questionado sobre o polêmico novo presidente dos Estados Unidos. Antes da viagem ao México e aos EUA, no início deste ano, o então pré-candidato à Presidência afirmou que o sucessor de Bento XVI era "muito politizado" e que "não entendia" os problemas de seu país. 

E MAIS:  Obama será o último presidente dos EUA, diz vidente que previu o 11/09 e o EI

Sobre a declaração, o papa Francisco disse aos jornalistas que "uma pessoa que pensa em construir um muro, qualquer que seja, em vez de criar pontes, não é cristão. Isso não está no Evangelho", afirmou em referência à ideia do magnata de construir uma barreira na fronteira entre o México e os EUA. Poucas horas depois dessa fala, no entanto, Trump mudou de opinião e disse que o líder religioso era "maravilhoso". 

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.