fachada colégio
Reprodução
O Colégio Franco-Brasileiro decidiu mudar o vocabulário com o intuito de promover a diversidade

Com o intuito de promover a diversidade , o Colégio Franco-Brasileiro, no Rio de Janeiro acaba de adotar a " linguagem neutra ". Nesta quarta-feira (11), a escola emitiu uma circular aos pais falando sobre o "compromisso com a promoção do respeito à diversidade e da valorização das diferenças no ambiente escolar". As informações são do O Globo .

De acordo com o portal, o colégio chamou a medida de "suporte institucional à adoção de estratégias gramaticais de neutralização de gênero em nossos espaços formais e informais de aprendizagem". A ideia é a  neutralização de gênero gramatical por meio da adoção de um conjunto de operações linguísticas voltadas tanto ao enfrentamento do machismo e do sexismo no "discurso quanto à inclusão de pessoas não identificadas com o sistema binário de gênero".

Dessa maneira, a instituição decidiu permitir que docentes e estudantes manifestem livremente sua identidade de gênero. No entando, além dessa medida, o que mais causou polêmica foi o fato de também substituírem a expressão “queridos alunos” por “querides alunes”, por exemplo, para incluir múltiplas identidades. Segundo o jornal, o Comitê da Diversidade e da Inclusão do colégio fará palestras sobre a questão. 

documento
Reprodução
Documento enviado aos pais para comunicar a linguagem neutra


Preconceito

Em maio deste ano, o Colégio Franco-Brasileiro teve uma aluna de 15 anos, Fatou Ndiaye, que foi vítima de racismo e ficou 40 dias sem ir à aula. Na época, a família da jovem disse que a escola não tomou as medidas cabíveis, então decidiram mudá-la de colégio.

    Veja Também

      Mostrar mais