Weintraub
Agência Brasil
Ministro da Educação, Abraham Weintraub


O ministro da Educação, Abraham Weintraub , cedeu aos movimentos de estudantes e políticos que pediam o adiamento do Enem 2020. Na manhã desta quarta-feira (20), Weintraub publicou no Twitter que "diante dos recentes acontecimentos no Congresso e conversando com líderes do centro, sugiro que o ENEM seja adiado de 30 a 60 dias".

Weintraub se mantinha reticente em relação ao adiamento do exame, diante das inúmeras mobilizações propondo a reformulação do calendário para que os alunos de escolas públicas e em situação de vulnerabilidade social não fossem prejudicados, o ministro defendia a realização da prova alegando que "interromper o Enem e deixar para 2021 seria matar uma geração ".


O governo sofreu derrota na noite de ontem (19) após o Senado decidir por 75 votos a favor e 1 contra pelo adiamento do Enem. O texto segue agora para análise da Câmara dos Deputados. Flávio Bolsonaro foi o único senador a votar contra o adimento da prova.

Leia também: Senado aprova proposta de adiamento do Enem

Na publicação em que Weintraub se mostra aberto ao adiamento, o ministro aproveito para pedir que os "4 milhões de estudantes já inscritos" sejam consultados para a escolha da nova data de realização. O ministro ainda sugeriu que a plataforma do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) fosse usada para consulta dos alunos, de forma "direta, democrática, transparente e segura". 

    Veja Também

      Mostrar mais