Merendeiras foram afetadas pelos cortes
Priscilla Borges, iG Brasília
Merendeiras foram afetadas pelos cortes

Uma semana após a suspensão das aulas na rede estadual de ensino de São Paulo, merendeiras, cuidadores de crianças com deficiência e motoristas foram demitidos. Eles eram funcionários de empresas terceirizadas que prestavam serviço para o governo do estado.

Leia também: Professores do Rio usam as redes sociais para compartilhar aulas

Na manhã desta segunda (30), a secretaria informou à Folha de S.Paulo que não sabia quantos funcionários haviam sido afetados por serem serviços terceirizados .

No mesmo dia do início da interrupção das aulas, o secretário da Educação, Rossieli Soares , assinou uma resolução determinando a suspensão de contratos. Ela vale para convênios de transporte escolar, preparo e distribuição de refeições e apoio a estudantes com deficiência que tenham limitações motoras, serviços que não estão sendo prestados.

Leia também: Coronavírus: Estrutura de rede pública para ensino online preocupa dirigentes

A secretaria de Educação disse estar analisando caso a caso os contratos suspensos e que “a administração tomará todas as medidas cabíveis para amenizar a situação”. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários