Lista de espera do situ
Aloisio Mauricio/Agência O Globo
Alunos reclama de erro na lista de espera do Sisu

Estudantes que estão na lista de espera do Sistema de Seleção Unificada ( Sisu ) relataram novo problema no portal que distribui as vagas para as universidades públicas brasileiras.

Leia mais: Senado marca para quinta sabatina do indicado à Embaixada do Brasil nos EUA

Essa já é a terceira campanha pelas redes sociais para chamar atenção do Ministério da Educação (MEC) para algum problema no processo. Primeiro foi o #erronoenem , depois veio o #erronosisu e agora surge o #erronalistadeespera .

No Sisu , o aluno que não conseguiu nenhuma vaga pode ficar na lista de espera. Para isso, precisa manifestar interesse no sistema.  Isso porque parte dos candidatos acabam desistindo dos cursos pelos quais foram aprovados. Nesse caso, a lista de espera é acionada.

Dessa vez, porém, alunos que colocaram apenas uma opção de curso e pediram para concorrer a uma vaga na lista de espera relatam que o sistema consta como se eles não tivessem manifestado o interesse.

Leia mais: Confusão com nota de corte do Sisu atrapalhou candidatos a universidades federais

O MEC foi procurado, mas ainda não respondeu aos questionamentos da reportagem. Também não respondeu aos candidatos que, por enquanto, não sabem se seu interesse na lista de espera foi registrado ou não — e o prazo para declarar a intenção de continuar concorrendo a uma vaga já foi encerrado.

Estudantes relatam que há um caminho para provar a manifestação de interesse na lista de espera: é preciso na no site na versão desktop e gerar o PDF de comprovação.

A edição do primeiro semestre de 2020 do Sisu teve 1.795.211 pessoas inscritas, que realizaram 3.458.358 inscrições (cada candidato pode tentar até duas opções de curso em busca de uma vaga).

Estavam em disputa 237.128 vagas em 128 instituições de ensino superior públicas em todo o país.

#erronoenem

As notas individuais das 3.935.237 pessoas que realizam o Exame Nacional do Ensino Médio 2019 foram anunciadas pelo Inep na última sexta-feira. No sábado, começaram a surgir relatos de estudantes questionando os resultados divulgados no site do Inep. Diante da grande quantidade de queixas, o MEC admitiu falha.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira ( Inep ) informou que as falhas na correção do Exame Nacional do Ensino Médio ( Enem ) atingiram participantes em cerca de 200 cidades, mas 96,7% das ocorrências se concentraram nas cidades de Alagoinhas (BA), Viçosa (MG), Ituiutaba (MG) e Iturama (MG).

Apenas os estados de Roraima e Amapá não tiveram o erro registrado. No total, foram 5.974 candidatos prejudicados por uma falha no processo de impressão das provas e dos cartões-resposta, segundo o governo.

O Inep recebeu 172 mil e-mails relatando erros, e todas as 3,9 milhões de provas da última edição do Enem foram conferidas pelo instituto. O órgão vai abrir um processo administrativo contra a gráfica Valid, responsável por realizar o Enem . O Inep atribui à gráfica os erros na impressão das provas e dos cartões-resposta.

O resultado do Sisu chegou a ser proibido de ser divulgado pela Justiça, mas o Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que o MEC comprovou que todas as provas haviam sido corrigidas novamente e liberou a publicação.

#erronosisu

Um levantamento feito por O GLOBO em 3.353 cursos de universidades federais aponta que, em 87% deles (2.908), a nota de corte caiu na comparação entre o último dia de inscrições no Sistema de Seleção Unificada ( Sisu ) e o resultado final. A diferença indica que os dados que basearam a escolha dos alunos não eram confiáveis, o que atrapalhou os candidatos. O total de cursos oferecidos pelas federais é de 6.481. A amostra do GLOBO abrange 51% dos cursos.

A nota de corte é o resultado do candidato com o menor desempenho que está sendo aprovado em cada curso. Ela é atualizada diariamente no Sisu e funciona como uma base para o aluno saber se está sendo aprovado ou não.

Neste ano, porém, uma mudança que não havia sido anunciada pelo MEC inviabilizou a utilização da nota de corte como referência.

Leia também: MEC quer aplicar Enem a cada ano do ensino médio

Em anos anteriores, o sistema apresentava a seguinte mensagem: "Sua posição (na segunda opção) não foi considerada pois você estava temporariamente classificado em sua primeira opção".

O novo modelo, no entanto, não tirou da segunda opção alunos que já conseguiram uma vaga na primeira escolha. Isso faz com que a nota suba artificialmente — pois os candidatos ficaram só com a primeira vaga.

Os candidatos só perceberam a mudança durante o período de inscrições do Sisu e chegaram a pensar que fosse um novo problema do processo. Por isso, criaram a #erronosisu.

O MEC alegou que não foi erro, mas uma mudança para dar mais transparência ao processo "auxiliando os participantes em sua decisão". Pelo Twitter, o ministro Abraham Weintraub também defendeu o modelo.

    Leia tudo sobre: enem

    Veja Também

      Mostrar mais