Tamanho do texto

Pelo Twitter, estudantes das mais diversas áreas levantaram a hashtag #ExistePesquisaNoBr para compartilhar e valorizar seus temas de pesquisas

Segundo a Capes, 93 mil discentes e pesquisadores brasileiros seriam prejudicados pelo corte no orçamento
Shuttersock
Segundo a Capes, 93 mil discentes e pesquisadores brasileiros seriam prejudicados pelo corte no orçamento

Após a repercussão de possíveis  cortes de bolsas de estudo da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em agosto de 2019, pesquisadores brasileiros usaram o Twitter e levantaram a hashtag #ExistePesquisaNoBr, nesta sexta-feira (3), para mostrar e enaltecer seus estudos que são apoiados pela fundação. A hashtag ficou em segundo lugar entre os assuntos mais comentados da rede social.

De acordo com a Capes, os cortes orcamentários do ano que vem podem prejudicar aproximadamente 93 mil discentes e pesquisadores brasileiros das mais variadas áreas, a partir de agosto. A interrupção dos repasses, no mesmo mês, atingiria 105 mil bolsistas que participam dos programas de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), de Residência Pedagógica e de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor).

Veja alguns dos twittes da #ExistePesquisaNoBr:














Temer  "não deixará faltar" recursos para Capes

Temer afirmou que “não deixará faltar” recursos para bolsas oferecidas pela Capes aos pesquisadores brasileiros
Alan Santos/PR - 28.5.18
Temer afirmou que “não deixará faltar” recursos para bolsas oferecidas pela Capes aos pesquisadores brasileiros

Na nota enviada ao MEC, o Conselho Superior da Capes afirma que praticamente todos os programas de fomento no exterior também seriam prejudicados. “Um corte orçamentário de tamanha magnitude certamente será uma grande perda para as relações diplomáticas brasileiras no campo da educação superior e poderá prejudicar a imagem do Brasil no exterior”.

Leia também: Os 10 cursos superiores mais procurados do Brasil

No entanto, o presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (3) que “não deixará faltar” recursos para bolsas oferecidas pela Capes. O presidente disse que compensará a falta de recursos, caso confirmada.

“Ainda ontem eu fiz uma longa reunião com todo o conselho científico, entre o qual os membros da Capes, e tratamos desses temas. Se houver problema eventual, eu não vou deixar faltar. Eu compensarei”. Temer lembrou que os ministros do Planejamento, Esteves Colnago, e da Educação, Rossieli Soares, estão reunidos para tratar do problema.

Em nota, os dois ministérios (Planejamento e Educação) informaram que o valor global do orçamento é definido pelo pela pasta do Planejamento, mas cada ministério decide como distribuir os recursos internamente.

Leia também: Unicamp e USP lideram ranking das melhores universidades da América Latina

Há uma brecha para alterações, de acordo com a nota, porque o Projeto de Lei Orçamentária pode mudar até o dia 31 de agosto - prazo máximo para a proposta ser enviada para votação no Congresso. Segundo a Capes, o corte de 2018 para 2019, fixa um patamar muito inferior ao estabelecido pela LDO, o que pode prejudicar diretamente os pesquisadores brasileiros .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.