Tamanho do texto

Crianças não terão que fazer nenhuma prova; avaliação começa a partir do ano que vem e será aplicada para professores, dirigentes e equipe escolar

Segundo o MEC, o Inep irá avaliar questões de infraestrutura e formação dos professores da educação infantil do País
Cesar Brustolin/ SMCS
Segundo o MEC, o Inep irá avaliar questões de infraestrutura e formação dos professores da educação infantil do País

Pela primeira vez, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) irá avaliar a educação infantil do País. Ao contrário das outras etapas, as crianças das creches e pré-escolas não terão que fazer nenhuma prova. A avaliação começa a partir do ano que vem e será feita por meio de questionários aplicados a professores, dirigentes e equipe escolar.

Leia também: Calendário escolar sofre modificações durante a Copa do Mundo; veja quais

Atualmente, as avaliações nacionais são aplicadas apenas a partir do ensino fundamental. Segundo o Ministério da Educação (MEC), o Inep irá avaliar questões de infraestrutura e formação dos professores. As escolas serão bem ou mal avaliadas se ofertarem as condições necessárias para o desenvolvimento das crianças. No cálculo, entra, por exemplo, a oferta de brinquedos.

“Aumentamos o acesso e não conseguimos olhar para os fatores de qualidade de qual educação está sendo entregue nas creches e na educação infantil”, disse o ministro da Educação, Rossieli Soares, nesta quinta-feira (28). Atualmente, aproximadamente 32% das crianças de até 3 anos matriculadas em creches e 91,5% das crianças de 4 e 5 anos matriculadas em pré-escolas do Brasil.

Segundo o ministro, a expectativa é que os pais e responsáveis das crianças também possam fazer parte da avaliação a partir de 2021.

Além da avaliação da educação infantil, o sistema de avaliação de toda a educação básica também será reformulado. Os diversos nomes das provas: Prova Brasil, Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), entre outras, deixarão de existir e todas as avaliações serão identificadas como etapas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

Ao todo, o sistema terá seis etapas de avaliação: creche, pré-escola, 2º ano do ensino fundamental, 5º ano do ensino fundamental, 9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio.

Todas as avaliações, incluindo a da educação infantil serão feitas de dois em dois anos, sempre nos anos ímpares. Os resultados serão divulgados nos anos pares. As mudanças passam a valer em 2019.

Leia também: Professor com dois meses de salário atrasado chora ao ganhar R$ 400 de alunos

Inep vai fazer mudanças nas outras avaliações

Mudança na Prova Brasil aproxima a avaliação brasileira de avaliações internacionais como o Pisa
Suami Dias/GOVBA
Mudança na Prova Brasil aproxima a avaliação brasileira de avaliações internacionais como o Pisa

A ANA, aplicada no 3º ano do ensino fundamental, deixará de existir. Agora os estudantes serão avaliados no 2º ano, geralmente com 7 anos, sobre o que aprenderam em língua portuguesa e matemática. A primeira prova será no ano que vem.

A mudança ocorre para adequar a avaliação à Base Nacional Comum Curricular do ensino infantil e fundamental (BNCC), homologada pelo MEC no final do ano passado. A Base estabelece os conteúdos mínimos que deverão ser ensinados em todas as escolas do País.

Pela Base, as crianças, em todo o país, deverão ter acesso desde cedo a conteúdos de português e matemática. Até o 2º ano do ensino fundamental, os estudantes deverão ser capazes de ler e escrever. Além disso, aprenderão conteúdos de estatística e probabilidade.

“A BNCC puxou a alfabetização para o 2º ano e, agora com a avaliação desse ano teremos indicadores”, diz o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Alessio Costa Lima.

Os municípios são os principais responsáveis pela oferta de educação infantil e fundamental. Lima também elogiou a inclusão da educação infantil no sistema de avaliações e disse que essa é uma demanda antiga dos dirigentes e que vem sendo discutida há anos. Com o anúncio da mudança, ANA não será aplicada este ano.

Já as avaliações do 5º e do 9º ano, antiga Prova Brasil, continuarão sendo aplicadas. Elas avaliarão as habilidades dos estudantes em língua portuguesa e matemática. No entanto, haverá uma novidade: a prova do 9º ano passará a avaliar a partir de 2019 ciências da natureza e ciências humanas.

Leia também: Global Teacher Prize dá US$ 1 milhão para melhor professor do ano

A mudança aproxima a avaliação brasileira de avaliações internacionais como o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), aplicado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aos estudantes de 15 anos de diversos países. Em 2015, na última avaliação, o Brasil ficou em 63ª posição em ciências, em um ranking com 70 países ou regiões.

Apesar de serem avaliadas em ciências, a competência não entrará no cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) pelo menos até a avaliação de 2021, quando termina a série histórica do índice.

O Ideb é considerado um importante indicador de qualidade do ensino . O índice vai até dez e é calculado de dois em dois anos para português e matemática do 5º e do 9º ano do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio.

De acordo com o ministro, a intenção é que ciências passe a valer também para indicar a qualidade das escolas a partir de 2023.

Ensino Médio  

Os estudantes do 3º ano do ensino médio serão avaliados no ano que vem em língua portuguesa e matemática. Os estudantes do ensino médio eram avaliados de forma amostral. A partir de 2017, a prova passou a ser censitária, aplicada em todas as escolas públicas. A avaliação seguirá com esse formato.

Com a aprovação da BNCC para o ensino médio, atualmente em discussão no Conselho Nacional de Educação (CNE), a intenção é que esses estudantes passem, no futuro, a ser avaliados também em ciências humanas e da natureza.

As avaliações não serão obrigatórias para as escolas particulares, mas aquelas que quiserem poderão aderir ao sistema. “Nós estamos discutindo avançar a necessidade da avaliação em todas as escolas privadas. É uma agenda que o MEC vai discutir com a sociedade nos próximos dias para que a gente coloque sempre um olhar de qualidade para a educação pública e também para as escolas privadas", diz o ministro da Educação.

Leia também: Pare de mentir, João! Olimpíada de Matemática gera memes 'nota dez' na web

Aplicação eletrônica

A partir do 2019, os questionários aplicados a professores, dirigentes e diretores escolares, com exceção dos aplicados aos estudantes, serão eletrônicos. O Inep testará de forma piloto a aplicação eletrônica da própria avaliação aos estudantes. A versão digital será testada em algumas escolas. Os estudantes farão a prova regular e, além disso, a versão eletrônica, apenas para teste.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.