Tamanho do texto

Docentes têm até o dia 9 de setembro para se inscrever; brasileiros já estiveram entre os dez finalistas do prêmio considerado o Nobel da Educação

Em 2018, Diego Mahfouz Faria Lima esteve entre os dez finalistas do Global Teacher Prize
Facebook/ Diego Mahfouz
Em 2018, Diego Mahfouz Faria Lima esteve entre os dez finalistas do Global Teacher Prize

O Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação, está com as inscrições abertas. O prêmio oferece US$ 1 milhão ao vencedor e é a principal premiação voltada ao reconhecimento de trabalhos realizados por professores em todo o mundo. Professores têm até o dia 9 de setembro para se inscrever ou serem indicados.

Leia também: MEC divulga nesta segunda-feira o resultado do Sisu do segundo semestre

Podem participar do Global Teacher Prize professores do ensino fundamental e médio, inclusive de cursos online. Os candidatos deverão obrigatoriamente cumprir carga horária mínima de 10 horas semanais e planejar se manter na profissão pelos próximos cinco anos.

No caso da indicação por terceiros, a pessoa deverá escrever uma breve explicação online com o motivo da recomendação. O professor indicado irá receber um e-mail sobre sua indicação acompanhado de um convite para a inscrição.

O prêmio mundial está na quinta edição e é organizado pela instituição de caridade Varkey Foundation, com o objetivo de valorizar boas práticas de educação, assim como promover a troca de ideias entre profissionais da área de pedagogia do mundo inteiro.

Leia também: Professor com dois meses de salário atrasado chora ao ganhar R$ 400 de alunos

Em dezembro, serão anunciados 50 pré-selecionados e, em fevereiro de 2019, os dez finalistas. Eles serão levados a Dubai para a cerimônia de premiação no Global Education and Skills Forum, em março de 2019, onde o vencedor será anunciado durante o evento.

Finalistas brasileiros do Global Teacher Prize

Professores brasileiros já foram destaque no prêmio. Em 2018, Diego Mahfouz Faria Lima, diretor da escola municipal Darcy Ribeiro, em São José do Rio Preto, São Paulo, esteve entre os dez finalistas, tendo sido selecionado entre mais de 30 mil inscritos de 173 países. Rubens Ferronato, professor de matemática voluntário da escola Dom Pedro 2º, de Curitiba (PR), especialista no ensino de cegos e pessoas de visão reduzida, foi pré-selecionado no mesmo ano.

Leia também: Fuvest vai adotar reconhecimento facial para o Vestibular 2019 da USP

Wemerson da Silva Nogueira, professor de ciências na escola Antônio dos Santos Neves, Boa Esperança (ES), foi um dos dez finalistas em 2017, e Valter Pereira de Menezes, professor de ciências da escola Luiz Gonzaga, Parintins (AM), foi pré-selecionado. Marcio de Andrade Batista, professor da Universidade Federal do Mato Grosso, foi um dos pré-selecionados do Global Teacher Prize em 2016.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.