Tamanho do texto

Exame também será realizado para os participantes que tiveram direito a uma segunda aplicação; Inep estima a participação de 3.606 inscritos

Enem para presos será aplicado dentro das penitenciárias; segundo o Inep, são pouco mais de 30 mil inscritos
Fábio Munhoz/iG São Paulo
Enem para presos será aplicado dentro das penitenciárias; segundo o Inep, são pouco mais de 30 mil inscritos

As provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão aplicadas para cerca de 32 mil pessoas privadas de liberdade, nesta terça (12) e quarta-feira (13), em mais de mil unidades prisionais de 577 municípios brasileiros. Também está marcada para hoje a aplicação das provas para os participantes regulares que tiveram direito a uma segunda aplicação do exame. 

Leia também: Regras sobre o Sisu já estão disponíveis para os candidatos que fizeram Enem

O Enem  para Pessoas Privadas de Liberdade é destinado a pessoas submetidas a penas privativas de liberdade e a jovens sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade.

Nessa aplicação, os participantes com mais de 18 anos poderão utilizar o desempenho como mecanismo para acesso à educação superior. Já os menores de 18 anos, considerados "treineiros”, só poderão utilizar os seus resultados individuais para a autoavaliação de conhecimentos, ou seja, não vale para entrar em faculdades.

No Distrito Federal, no dia da aplicação da prova, todos os professores são convocados para ajudar na aplicação do exame. As provas são realizadas nos núcleos de ensino que ficam dentro das unidades prisionais. Os agentes penitenciários ficam do lado de fora das salas de aula fazendo a segurança.

Leia também: Fuvest divulga nota de corte para a segunda fase do vestibular 2018 da USP

Segundo Wagdo Silva, diretor do Centro Educacional 01 de Brasília, que é a escola responsável pela educação do sistema prisional do Distrito Federal, a aplicação das provas costuma ser tranquila. “Eu trabalho há 15 anos no sistema prisional como professor e nunca vi relato de um problema sequer na aplicação das provas”, diz.

Para ele, a aplicação do exame é fundamental para os presos. “A sociedade não tem conhecimento do quanto esses exames são importantes para as pessoas que estão apenadas. É um ponto de partida para essas pessoas porque antes elas não tinham essa possibilidade”, acrescenta Silva.

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mais de 197 mil pessoas presas e jovens sob medida socioeducativa já participaram do exame entre 2011 e 2016. 

Encceja

Nos dias 19 e 20 de dezembro serão realizadas as provas do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade e jovens sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade (Encceja Nacional PPL). Segundo o Depen, mais de 74 mil presos vão prestar o exame.

Segunda aplicação

O Enem para os participantes que tiveram direito a uma segunda aplicação do exame também começa hoje. O Inep estima a participação de 3.606 inscritos, que prestarão os exames em 34 locais de 27 municípios. Entre os motivos para a segunda aplicação estão a interrupção do fornecimento de luz, que afetou 3.574 participantes de nove locais, em Olinda (PE), Teresina (PI) e Uruaçu (GO). Outros cinco casos são de atendimentos a demandas judiciais e 27 resultam de deferimentos da Comissão de Demandas para atender a participantes que tiveram problemas diversos.

Leia também: Unicamp divulga lista de aprovados para a segunda fase do vestibular 2018

* Com informações da Agência Brasil.

    Leia tudo sobre: enem