Tamanho do texto

Segundo relatos, um casal teria tentado entrar na sala do diretório portando um quadro com mensagens nazistas e insistido em fixá-lo em uma parede

DCE UFRJ: diretório Mário Prata usou o Facebook para comunicar que fechou o salão do segundo andar de sua sede
Reprodução/ Facebook/ DCE UFRJ Mário Prata
DCE UFRJ: diretório Mário Prata usou o Facebook para comunicar que fechou o salão do segundo andar de sua sede

A reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) apura denúncia do Diretório Central Estudantil (DCE) Mário Prata de que manifestações de apologia ao nazismo teriam ocorrido na sede da entidade estudantil por pessoas que não integram o diretório. Na última sexta-feira (26), a universidade divulgou, em sua página na internet, que pretende acionar a polícia para investigar o caso.

Leia também: Sisu abre inscrições para o segundo semestre, mas estudantes relatam dificuldade

"A Reitoria abrirá procedimento interno para averiguar o caso e registros de pichações de cunho nazista no campus. Também acionará as polícias Civil e Federal para a apuração da apologia ao nazismo que, destacamos, configura crime. Trata-se de uma ação isolada, de ultradireita, que se manifesta de forma apócrifa justamente por não encontrar qualquer respaldo no corpo social da Universidade", diz nota da UFRJ.

A instituição pediu que a comunidade acadêmica não tolere manifestações do tipo e denuncie imediatamente à Ouvidoria Geral por e-mail . A universidade mantém ainda um endereço de e-mail para receber denúncias de casos de violência de qualquer tipo.

Leia também: Estudantes da UFRRJ fazem protesto contra violência sexual na universidade

O diretório Mário Prata usou a rede social Facebook para comunicar que fechou o salão do segundo andar de sua sede desde a última terça-feira (23), por causa do episódio. Diretor de políticas educacionais do diretório, o estudante de direito Victor Davidovich, de 22 anos, disse que um casal entrou no salão portando um quadro com mensagens nazistas, insistindo em fixá-lo na parede.

"O quadro mostrava a imagem de uma mulher negra, com sinais de mutilação e suásticas em volta", relatou o estudante. Segundo ele, outras pessoas que presenciaram o ato. "Isso ofende qualquer um que tenha o mínimo senso de humanidade. Sempre convivemos na universidade com alguns casos de opressão, mas esse é muito grave, porque é um ódio muito explícito. É uma coisa desavergonhada".

O fato teria causado a indignação de alunas que estavam no local. A Agência Brasil não conseguiu contato com testemunhas. Segundo o diretor do DCE, elas teriam discutido com a dupla e impedido que o quadro fosse deixado no prédio. O DCE também aponta que banheiros e outros pontos do campus Praia Vermelha foram alvo de pichações de símbolos nazistas, como a suástica.

Leia também: Candidatos transexuais ou travestis poderão pedir uso de nome social no Enem

Debate

Como reação, o diretório está organizando um debate sobre a utilização dos espaços do DCE na UFRJ. O encontro está marcado para à tarde da próxima quinta-feira (1). "Queremos convidar todos a debater sobre os acontecimentos e, mais que isso, queremos construir um espaço que seja acolhedor", diz nota sobre o evento no Facebook.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.