Tamanho do texto

Tecnologia tem ganhado cada vez mais espaço nas salas de aulas; orientação aos professores é incluir os jogos à rotina de estudos uma vez por semana

Tecnologia: alunos de 60 escolas da rede estadual de São Paulo estão aprendendo Matemática no supermercado
A2img / Daniel Guimarães
Tecnologia: alunos de 60 escolas da rede estadual de São Paulo estão aprendendo Matemática no supermercado

Alunos de 60 escolas da rede estadual de São Paulo estão aprendendo Matemática no supermercado. O cenário, na verdade, é virtual e uma das opções da plataforma Matific, criada para ampliar e recuperar o conteúdo da disciplina.

Leia também: Grafites transformam escolas estaduais de SP em galerias de arte urbana

A tecnologia tem ganhado cada vez mais espaço nas salas de aulas e tem facilitado o aprendizado dos estudantes.  Na Escola Estadual Alfredo Paulino, unidade na capital de São Paulo onde a ferramenta é adotada, estudantes do 6º ao 9º ano se revezam entre as aulas ‘tradicionais’ e aquelas com ajuda do jogo virtual. A nova abordagem está agradando alunos e professores.

Além de cálculos de preços dos produtos e quantidades exigidos em compras no mercado, na plataforma Matific é possível ensinar figuras geométricas, teoria de Pitágoras, porcentagem, áreas e perímetros de espaços, probabilidade e diversos outros tópicos previstos no currículo da Secretaria da Educação do Estado. A orientação aos professores é incluir os jogos virtuais à rotina de estudos, ao menos, uma vez por semana.

Leia também: Escolas públicas passarão a participar de campanhas de cuidados com a saúde

"Este foi o primeiro bimestre que utilizamos o aplicativo Matific e já é possível perceber que os alunos se interessam e aprendem mais também com exercícios selecionados a cada série. Para a direção da escola e educadores, plataforma oferece relatórios do desempenho por estudantes e classes”, explica o professor de multiletramento André de Souza, da Escola Estadual Alfredo Paulino. A declaração foi dada à Secretaria estadual da Educação.

Leia também: Violência e tráfico interrompem as aulas de mais de 5 mil crianças no Rio

Competição e jogos de tabuleiros

Nas cidades de São José do Rio Preto e José Bonifácio, os jogos também são apostas dos professores. Mas por lá, a seleção é "analógica’" As estratégias incluem dama, ludo e sogo e é reconhecida pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), de São Paulo. Além das atividades em sala de aula, as duas Diretorias de Ensino organizaram em 2016 o 1º Campeonato Escolar de Jogos de Tabuleiro – CEJTA e passaram por capacitações para entender as táticas de cada jogada e como incentivar o uso do raciocínio lógico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.