Tamanho do texto

Além das obras especiais, outros 120 livros foram levadas; polícia acredita que criminoso possuía informação sobre a importância da coleção furtada

Biblioteca da UFRJ teve 303 livros raros furtados, entre as 420 obras que foram levadas da instituição
Carlo Wrede/Agência O Dia
Biblioteca da UFRJ teve 303 livros raros furtados, entre as 420 obras que foram levadas da instituição

A Polícia Federal (PF) abriu inquérito para investigar o furto de mais de 420 obras do acervo de uma biblioteca da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Entre os livros furtados da Biblioteca Pedro Calmon, na Praia Vermelha, na zona sul da capital fluminense, 303 são livros raros. A UFRJ, no entanto, ainda está fazendo um levantamento que pode aumentar ainda mais esse número.

Leia também: Corpo de estudante da UFRJ é encontrado no campus da universidade

De acordo com a universidade, o furto foi constatado em outubro do ano passado, quando a Polícia Civil de São Paulo encontrou obras de propriedade da UFRJ. Ao confirmar o furto dos livros raros , a instituição registrou o crime junto à PF e abriu sindicância para investigar eventuais responsabilidades.

A sindicância, que se encerrou em março deste ano, constatou que o processo de reforma do edifício na Praia Vermelha, onde está a biblioteca, pode ter favorecido a ação criminosa e que o roubo foi realizado por alguma pessoa que possuía informação sobre a importância da coleção.

Leia também: Incêndio destrói andar inteiro de prédio da UFRJ na zona norte do Rio

Como o número de obras furtadas é muito grande, uma nova sindicância foi aberta para aprofundar as investigações.

Levantamento

Representantes da UFRJ têm audiência nesta quinta-feira (4) com a Polícia Federal para apresentar informações sobre o levantamento das obras furtadas. A ideia é que a PF e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) acionem também a Interpol, a polícia internacional, para identificar possível comercialização dessas obras no exterior.

Desde que constatou a subtração dos livros, a universidade informou que vem reforçando os mecanismos de segurança já existentes. Por meio de nota, a UFRJ fez um apelo às pessoas que tenham adquirido inadvertidamente as obras, para que as devolvam à instituição.

“Estamos diante de um golpe muito doloroso para a história da ciência e para a cultura do país, e para os pesquisadores que usam as obras para estudos de grande relevância. O fato é inaceitável sob todos os pontos de vista”, diz a nota.

Leia também: Após assassinato na UFRJ, alunos denunciam grupos com discurso de ódio

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.