Tamanho do texto

No texto que acompanha a ação, pasta pede que "ação policial não ameace a rotina e a vida" dos estudantes; há uma semana, menina de 13 anos morreu

Maria Eduarda Alves morreu aos 13 anos de idade ao ser atingida por três tiros em ação policial dentro de escola no Rio
Reprodução/Facebook
Maria Eduarda Alves morreu aos 13 anos de idade ao ser atingida por três tiros em ação policial dentro de escola no Rio

Uma semana depois da morte da estudante Maria Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos – que foi baleada dentro da Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza, na zona norte do Rio de Janeiro – a Secretaria Municipal de Educação do município divulgou, nesta quinta-feira (6), uma campanha contra a violência policial dentro das escolas.

Leia também: Após morte de aluna, professores querem barrar ação policial em horário escolar

No texto que divulga a campanha, a secretaria solicita uma audiência com a Secretaria de Segurança Pública e o Comando-Geral da Polícia Militar, para a formalização de protocolos claros e rígidos para que "a ação policial não ameace a rotina das escolas e a vida de seus integrantes". A campanha contará ainda com um abaixo-assinado.

A secretaria pede também que os comandantes dos batalhões da Polícia Militar recebam representantes das comunidades escolares de suas áreas. O objetivo dos encontros será debater a situação em cada localidade e oferecer garantias públicas de que estes protocolos de não violência sejam respeitados. "As escolas têm de ser lugares de paz", diz o órgão.

Leia também: Policiais suspeitos de execução de homens feridos são presos no Rio; veja vídeo

"Muitas de nossas 1.537 escolas situam-se em áreas conflagradas, em que o poder público não mais exerce controle territorial efetivo. Facções criminosas ditam as regras do cotidiano, frequentemente em conflito entre si. Incursões policiais, violentas e inúteis, causam vítimas inocentes e agravam a situação".

O texto também foi postado no perfil do secretário municipal de educação, Cesar Benjamin, no Facebook. Na rede social, ele acrescenta que não conseguiu ser recebido por autoridades da área de segurança pública do Rio de Janeiro.

Reabertura da escola

Um culto ecumênico reabre nesta quinta a Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza, onde a estudante foi morta a tiros durante uma atividade de educação física.

O ato deve contar com representantes de outras escolas e também jogadores do time de basquete do Flamengo. Maria Eduarda tinha medalhas em competições estudantis de basquete e era fã dos atletas do clube. O secretário municipal de Educação, César Benjamin, também deve comparecer.

Leia também: 'Se correr, o Canil da PM pega': Batalhão de Choque dá prejuízo ao tráfico em SP

Segundo a secretaria, todas as escolas da rede municipal farão um dia de mobilização pela paz e contra a violência – policial ou não –, com debates sobre o tema.

* Com informações da Agência Brasil.