Dino

Há quatro anos, 498.302 candidatos a prefeito e a vereador disputaram a última eleição municipal. Ainda existia algum espaço para campanhas analógicas. Houve distribuição de santinhos, corpo a corpo em feiras livres e eventos públicos, comícios e um pouco de Internet. A disputa deste ano deve reunir quase 1 milhão de candidatos em função da impossibilidade de coligações nas chapas proporcionais, como aconteceu nas últimas eleições.

Nesse contexto, se cada um interessado em ocupar uma cadeira de vereador ou prefeito publicar apenas um post por dia no Twitter, Facebook e Instagram, os eleitores serão impactados com três milhões de mensagens por dia. "O Brasil tem 150 milhões de eleitores, 141 milhões de usuários de Internet e 226 milhões de celulares. Entender os movimentos de opinião desse universo é fundamental para explicar os impactos da política na vida do País", afirma Manoel Fernandes, sócio da BITES. "Não há mais espaço para a política analógica."

É nesse contexto que BITES acaba de lançar, atendendo a demandas do mercado, a sua unidade de negócio na área de educação, que permitirá o compartilhamento do conhecimento adquirido pela companhia nos últimos 15 anos.

A Escola BITES iniciará efetivamente sua atividade com dois cursos próprios em 2020, além de ampliar parcerias já existentes com a ESPM e a PUC-SP por meio do Laboratório de Política, Comportamento e Mídia. O primeiro curso online acontecerá em 25 de agosto e nele se entenderá como a análise de dados impactará, de maneira decisiva, a dinâmica das campanhas municipais. As inscrições para "Eleições sem comício" já estão abertas e podem ser feitas até 24 de agosto no link.

O professor será Manoel Fernandes, diretor da BITES, profissional que conhece profundamente os comportamentos do universo digital e suas repercussões, seja no meio empresarial e/ou político. O conteúdo do curso se destina para analistas políticos, gestores de campanhas, assessores parlamentares, estudiosos da ciência política, candidatos e qualquer interessado na nova dinâmica da atividade política, dinâmica que vinha sendo construída ao longo das últimas eleições, sendo agora acelerada pela pandemia.

A Escola BITES será dirigida por Mônica Mercês, especialista em inteligência de mercado, governança corporativa e gestão de processos. A executiva, que tem MBA pela Fundação Getúlio Vargas em Marketing e mestrados em gestão de empresas pelo ISCTE de Lisboa, em Planejamento e Gestão Organizacional pela Universidade Autónoma de Madrid, é formada em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco e integrante do Conselho Consultivo de BITES. "Há mais de uma década estudando esse ambiente, a Bites traz em sua história um legado próprio e rico de informações e análises que são absolutamente imprescindíveis para os dias atuais e futuros.", afirma a executiva. "Assim, nasce a Escola Bites, com o propósito de contribuir estrategicamente para tomadas de decisão empresariais e/ou políticas, baseadas em análises consistentes desse tão vasto e desconhecido mundo digital."

    Veja Também

      Mostrar mais