Dino

O distanciamento social e a paralisação das atividades presenciais não foram motivos para que algumas pessoas deixassem de praticar o bem. Neste período, os freis agostinianos, por exemplo, desenvolveram a campanha "Unidos num só coração", juntamente com a equipe do Departamento de Evangelização, Pastoral e Ações Sociais (Depas) do Colégio Santo Agostinho e das Obras Sociais Agostinianas, como forma de continuar disseminando as mensagens de fé e esperança a milhares de pessoas.

professores
Revista educação
Ações sociais são intensificadas durante a pandemia

Dezenas de ações que buscam melhorar a qualidade de vida e o bem-estar da comunidade agostiniana, dos colaboradores e da sociedade em geral vêm sendo realizadas durante este período delicado. De doações de cestas básicas ao envio de mensagens de carinho, as atividades realizadas por alunos e pelos profissionais da instituição abrangem diversos grupos e necessidades humanas.

Frei Luiz Antônio Pinheiro, presidente da Sociedade Inteligência e Coração (SIC), mantenedora das unidades do Colégio Santo Agostinho e obras sociais, ressalta que o momento exige a continuação das ações e criação de novas. "Precisamos fortalecer a nossa fé e acreditar que tudo isso vai passar. É preciso confiar e orar. A oração nos ilumina a inteligência e aquece o coração rumo a um novo tempo de esperança. A nossa fé fortalecida se abre para a esperança e a esperança não decepciona. Dessa forma, o nosso amor se transforma em muitos gestos concretos, de partilha, escuta, cuidado e solidariedade", ressalta.

Com o foco em ajudar grupos vulneráveis, pelo contexto da pandemia, os alunos do Colégio Santo Agostinho de Nova Lima, em Minas Gerais, se mobilizaram para ajudar a divulgar, via redes sociais, a campanha de arrecadação de cestas básicas realizada pela Associação Comunitária de Moradores da Vila Santana do Cafezal (ACM Cafezal) e do Centro Cultural Lá da Favelinha. Enquanto isso, os alunos do sexto ano do Colégio Santo Agostinho de Belo Horizonte estão cuidando do projeto "A Causa Indígena é de Todos Nós", em convênio com o Conselho Indigenista Missionário (CIMI). O objetivo é arrecadar doações e contribuir nos cuidados que povos indígenas necessitam durante este período.

Com o projeto "Cuidando Mais", os alunos que participam do Voluntariado Pastoral da unidade Belo Horizonte, além de arrecadarem doações para hospitais, orfanatos e asilos parceiros, cuidam do envio de mensagens virtuais para aqueles que vivem e trabalham nesses locais e que se encontram em isolamento ainda maior, necessitando de mais afeto para enfrentar a situação. Já as ações "Aquecendo o Coração", "Papo DEPAS" e o envio do "Abraço solidário" estreitaram os laços entre escola e estudantes por meio de reflexões, música, poesia e orações nas redes sociais e plataformas internas da Unidade.

A unidade do Colégio Santo Agostinho de Contagem, com o grupo de voluntariado "Amor e Movimento", composto por alunos, familiares, educadores e pessoas da comunidade em geral, conduz a Campanha COVIDas, que busca atender às famílias em vulnerabilidade social. Também estreita os laços de apoio e solidariedade com várias instituições, enviando mensagens, vídeos e cartas para o Lar de Idosos Maria Clara, Hospital Municipal de Contagem e ambulatório oncológico da Santa Casa. O grupo acompanha famílias haitianas da região e promove visita à aldeia indígena de Mário Campos com ações solidárias, desde o rompimento da barragem de uma mineradora em Brumadinho.

Já a unidade Gutierrez do colégio está enviando vídeos com mensagens de esperança e afeto à comunidade educativa por meio das redes sociais do Colégio. O Santo Agostinho de Nova Lima realizou parceria com uma escola pública do município, buscando auxiliar na transição à educação remota, com a doação de apostilas e material didático.

Os freis agostinianos firmaram ainda uma parceria com a regional de Minas Gerais da Cáritas Brasileira, organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), transformando o edifício ao lado do Colégio Santo Agostinho, no bairro Santo Agostinho, em um ponto oficial de apoio à campanha "Comunidade Viva sem Fome", que tem como escopo fornecer cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade social de Belo Horizonte e região metropolitana.

Uma das obras sociais da SIC, a Escola Profissionalizante Santo Agostinho, produziu cerca de 2 mil máscaras, com o auxílio de ex-alunas do curso de corte e costura, para distribuir entre moradores em situação de rua e colaboradores do hospital Sofia Feldman. Já o Centro Agostiniano em Ecologia Integral, localizado na cidade de Mário Campos, tem se utilizado da própria produção e doado colheita de pomar e horta a seus vizinhos e colaboradores.

As ações buscam reforçar os laços entre as escolas e a comunidade ao seu redor durante a pandemia: "O perigo ainda não passou. É necessário ter muita precaução e cuidado, mas não vamos parar nossos esforços para nos aproximar das pessoas em vulnerabilidade social, que, agora, ainda mais, contam com nossa ajuda", afirma Frei Luiz Antônio.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários