Lummertz
Divulgação
Lummertz

Antes de tudo quero desejar, nessa penúltima coluna do ano, Feliz Natal aos brasileiros e em especial aos meus conterrâneos catarinenses. Um Natal de paz, amor e harmonia. E lhes dizer que escrevo esse artigo com meu pensamento voltado a Santa Catarina, Estado turístico por excelência e destino desejado por brasileiros de todas as regiões e turistas de todo o mundo, mas no qual, infelizmente, nos últimos anos o Turismo não ocupa o centro da pauta governamental.

Pior ainda que isso se acentuou em plena pandemia, quando a dimensão econômica que o Turismo representa para o planeta foi a mais atingida pelo coronavírus. A indústria turística catarinense, que já chegou a representar 13% do PIB, deveria ter uma Secretaria estadual de Turismo no Estado mais turístico do Brasil e, especialmente, um plano e uma política para essa dimensão que impacta diretamente 53 outros setores econômicos.

Não estou dizendo aqui que SC não tem exemplos e modelos para apresentar ao país. Pelo contrário: as ações, realizações e obras feitas desde o início do século, especialmente no Governo Luiz Henrique da Silveira/Leonel Pavan, ainda se refletem no excelente desempenho apresentado por nossas diversas e diversificadas regiões e cidades turísticas. Mas esse “plano de vida” para o

Turismo catarinense precisa ser urgentemente renovado e projetado para os próximos 30 anos.

Fazer Turismo na pandemia foi exaustivo, muitas vezes frustrante, mas nunca perdemos a esperança e nem a vontade de lutar. Digo isso porque passei por todas essas sensações e vi, às vezes desolado, os empreendedores do Turismo, que são meus companheiros de luta há tantos anos, desde a secretaria nacional de Políticas do Turismo do Ministério, na presidência da Embratur, no Ministério e agora na Secretaria de Turismo e Viagens de Santa Paulo, eu vi esses companheiros arrasados, deprimidos e desesperados. Mas nunca derrotados.

Por isso, a vitória deste final de ano tem mais sabor ainda. Se vamos passar um Natal e um Ano Novo de paz, amor e harmonia, com nossas famílias e amigos, isso se deve à vacina e à ciência. Sei que muitos vão me considerar repetitivo, mas é preciso repetir: o Brasil estaria vivendo hoje uma catástrofe sem precedentes não fossem a coragem e a determinação do governador João Doria, que não por coincidência é um homem do Turismo, ex-presidente da Embratur como eu, que foi buscar a vacina na China e enfrentou e ainda enfrenta de peito aberto o negacionismo inexplicável de Jair Bolsonaro.

Leia Também

E por ser um especialista em Turismo, João Doria o colocou no centro da pauta governamental em SP – para ser locomotiva da economia, e não vagão. Para se ter uma ideia, a duas semanas para o final de 2021, em 16 de dezembro tivemos em São Paulo a prova definitiva do reconhecimento do Turismo como estratégico para a atual gestão do Governo do Estado. Em uma cerimônia do Palácio dos Bandeirantes, reunimos algumas dezenas de prefeitos e secretários municipais de turismo para celebrar a liberação de R$ 500 milhões para obras e melhoria de infraestrutura turística nos 210 municípios turísticos, além de R$ 283 milhões pagos para concluir obras turísticas em andamento em cidades paulistas.

Esses R$ 500 milhões somados aos R$ 527 milhões que foram repassados (dinheiro no caixa das Prefeituras) em 2019, 2020 e 2021, mostram que o turismo em São Paulo, pela primeira vez, ultrapassou R$ 1 bilhão em uma única administração. Um feito meritório.

Tão importante quanto o valor, é a simbologia por trás dele. Com esta liberação, a Secretaria de Turismo e Viagens cumpriu 100% da Lei Orçamentária Anual (LOA). Quem “é de governo” sabe o quanto isso é importante: demonstra ao mesmo tempo a eficiência e a produtividade do órgão público. Significa que cada centavo solicitado e defendido há mais de um ano foi efetivamente utilizado no exercício que agora vai chegando ao final.

Na coluna da próxima semana, vamos apresentar os resultados desse uso correto e planejado do dinheiro público no Turismo, apresentando ações, estratégias e obras que, adaptadas ao ambiente e às vocações de cada um, podem ser utilizados nos estados brasileiros no planejamento de suas indústrias turísticas para as próximas décadas.

Este é o Natal da ressurreição do Turismo no Brasil. Por isso, vamos confraternizar com muita fé o nascimento do Menino Jesus, aquele que foi crucificado e ressuscitou para nos ensinar a amar e a perdoar.

Bom Natal a todos!

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários