Vinicius Lummertz
Reprodução
Vinicius Lummertz

Depois de 20 meses de pandemia tivemos em 14 dias dois emblemas do sucesso do trabalho sério. Fato simbólico por ocorrer no feriado da Proclamação da República, o GP São Paulo de F1, resgatou, com direito a Bandeira Nacional na pista, pela sensibilidade de Lewis Hamilton, o verdadeiro orgulho verde e amarelo e o retorno do turismo e dos grandes eventos. Sem medo do clichê, aquela vitória, com milhares de brasileiros presentes e seguros, foi consequência: começou a ser construída em 17 de janeiro, na aplicação da primeira dose de Coronavac, a despeito da gestão federal recalcitrante.

Dois domingos depois, no campo político que sabe respeitar as regras e valoriza o voto e a democracia, o governador paulista João Doria foi escolhido como o candidato do PSDB para disputar a eleição presidencial em 2022. Em comum entre os fatos, o reconhecimento da seriedade, da gestão competente.

O Brasil dos próximos meses, e a partir de 2023, exigirá mais de todos. O país legado por Bolsonaro interrompeu os excelentes avanços do curto período de Temer, antecedido pelo PT de triste lembrança, em particular no Lula 2 e Dilma. Logo, exigirá um ocupante mais bem preparado no Palácio do Planalto.

A definição do PSDB é importante por qualificar a quebra da chamada polarização, além de, sem demérito pessoal aos postulantes, apresentar uma proposta que não se baseia em sofismas, fantasias, slogans, anúncios para acalmar o mercado ou retocados por uma camada de verniz.

Leia Também

O Brasil de 2022 precisa de alguém forjado na linha de frente, no calor da lida que mais exige, com a musculatura da liderança, que faça chover em vez de dar a previsão do tempo. As credenciais do PSDB estão postas: Plano Real e o fim da inflação, Bolsa Escola, medicamentos genéricos, Lei de Responsabilidade Fiscal; em São Paulo e mais recentes, a privatização dos aeroportos regionais, a concessão de rodovias, o fechamento de estatais, a reforma administrativa que permite ao Estado investir, crescer e ajudar no desenvolvimento nacional, a vacina que salvou o Brasil de um desastre ainda maior. O PSDB virá com João Doria, mais que um grande gestor e organizador do País, alguém que em pouco tempo atrairá investimentos de todas as partes do mundo para o Brasil.

Quando analistas indicam as decisões que deverão ser tomadas pelo próximo presidente – ajuste fiscal, diminuição do tamanho do Estado, investimentos que desencadeiem o desenvolvimento, foco social, privatizações, aumento da eficiência – fica clara a importância da escolha de alguém confiável, que já provou saber fazer. Até porque a tempestade se assoma.

Faltando menos de um ano para o término da gestão mais desqualificada da história republicana, não devemos nos iludir: ao ficar clara a impossibilidade de reeleição, Bolsonaro não será apenas um “pato manco”, como jocosamente classificam os americanos (‘lame duck’). Levará a tensão do “quanto pior melhor” a níveis nunca vividos.

Enquanto isso, candidatos a candidato, pela falta de condições, inexperiência executiva ou eleitoral, não deveriam transformar a 3ª Via em terceira vala. A maioria dos brasileiros não quer lulopetismo ou bolsonarismo. Vão querer frutos como os colhidos em São Paulo e o sentimento de campeão de F1, bandeira na pista e trilha da vitória na caixa de som.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários