Em um galinheiro, a galinha A bica todas e não é bicada por nenhuma. A galinha B bica todas, menos A. A galinha C bica todas, menos A e B, e assim sucessivamente, até a galinha N, que é bicada por todas, e não bica nenhuma.

Leia também: Melhor jogar de pé do que deitado, por Roberto Muylaert

Coletiva de imprensa de Putin e Trump em Helsinque
Reprodução/CNN
Coletiva de imprensa de Putin e Trump em Helsinque

A situação de Donald Trump está quase no limite da galinha que bica todas, sendo bicada só por uma, a galinha russa.

O cada vez mais volumoso e adiposo presidente americano saiu mundo afora dando bicada para todo lado. Ofendeu os aliados nas reuniões comerciais, nos tratados de defesa, sempre que teve oportunidade, enquanto, sem a menor noção de protocolo e etiqueta, fez a rainha Elizabeth II, de 92 anos sair atrás dele, tentando uma passagem obstruida pelo corpanzil do americano, cujo lema é “ninguém melhor do que eu”.

Leia também: Trabalhador banca Venezuela

Com Kim Jon-un, ele também cantou de galo, como ocidental capitalista frente a um tirano de país rudimentar, que não merece respeito, a não ser por sua capacidade de envenenar inimigos, e fabricar foguetes de longo alcance com ogivas nucleares. O presidente americano tentou dissuadi-lo de continuar nesse caminho, numa reunião de poucas horas, sem tempo de bicar o norte-coreano.

Você viu?

Na sua rudeza e desrespeito, ele tem ido além da falta de protocolo, chegando à pura e simples falta de educação, que não aprendeu em casa.

Apresentou-se com uma grossura maior do que os antigos dirigentes comunistas, que sempre tomaram cuidado com suas posturas frente aos ocidentais, exceção feita a Nikita Khrushchev, que deu sapatadas na mesa, em reunião da ONU, em1960.

Trump bicou muita gente boa nesses últimos tempos, a primeira-ministra Thereza May, a alemã Angela Merkel, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, que tratou com o maior preconceito, classificando-o como “fraco”.

Bicou todo mundo, até se encontrar com a galinha chamada Vladimir Putin , quando abaixou a crista e passou a concordar com tudo que ela afirmava, até mesmo antes de ser solicitado a tanto.

Leia também: Donald Trump e Adolf Hitler

Isso acontece com pessoas agressivas, mas que têm tal complexo de inferioridade, que até esquecem a própria personalidade, frente ao deslumbramento com a personagem dominante, no caso, a galinha A, presidente/primeiro-ministro Putin.

Trump estava tomado de tal respeito reverencial pelo colega russo, que precisou ficar explicando ao mundo, por dias, sua atitude subserviente frente ao rival. Talvez fosse o caso dele contar logo a Putin a teoria da hierarquia do galinheiro. Reconhecido como galinha A, o russo entenderá tudo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários