Tamanho do texto

É tão generalizada a prática de irregularidades, que ficaram faltando senadores para ocupar ministérios

Número alto de ações trabalhistas revela problema mais profundo no Brasil
shutterstock
Número alto de ações trabalhistas revela problema mais profundo no Brasil

A confusão está formada. Com a radicalização de opiniões e a quantidade de fatos que se desenrolam em cascata, fica difícil não ter suas convicções abaladas. De inicio, coloca-se em dúvida o impeachment de Dilma, que radicalizou tudo.

Leia também: João Doria presidente

Alijado do governo, o PT não chegou ao fundo do poço, e agora dá ensejo a todo tipo de contestação por parte de quem desandou o País. O impeachment pode ser chamado de constitucional, mas foi uma forçada de barra.

E quando se mexe no andamento constitucional de uma sucessão, as coisas costumam desandar. Dilma foi uma péssima presidente, estabanada, autoritária, campeã de decisões erradas.  

Afastada do governo, passou de megera a vítima. Tem até gente dizendo que o problema do desemprego, causado pelo descalabro do governo PT, é culpa de Temer.
Este, por sua vez, reuniu um grupo de politicos ficha-suja, capazes de fazer passar as reformas no Congresso, na base da troca de favores e privilégios. 

Leia também: Ela não sabe que não sabe

Caldo entornado

O que entornou o caldo é que, pela primeira vez, as investigações sobre malfeitos dos politicos vieram à tona, sendo afastados diversos deles, do primeiro escalão da tropa de choque do presidente.

É tão generalizada a prática de irregularidades, que ficaram faltando senadores para ocupar ministérios, obrigando Temer a preservar ministros até serem abertas as inevitáveis denúncias contra eles. O mais paradoxal é que quem está tocando as reformas de que o Brasil precisa é esse presidente com legitimidade discutivel, e respectiva equipe mais comprometida ainda.

Algumas coisas que esse governo está fazendo, apesar da greve, são importantes. É o caso da aposentadoria com as mesmas regras para o setor público e iniciativa privada, assim como a simplificação da legislação trabalhista, que deverá aumentar o número de empregos. 

Só quem já foi àquele prédio da Justiça Trabalhista em São Paulo, tendo de assistir a toda a hipocrisia de um advogado de porta de cadeia contando mentiras sobre as condições de trabalho de seu cliente, sabe do que estou falando.

E no final do julgamento, mesmo que o autor da ação não tenha razão alguma, o juiz dá um jeito de que ele ganhe alguma coisa. Não admira que tenhamos tido mais de três milhões de ações na Justiça do Trabalho, só em 2016.

Leia também: Nosso metrô virou propina