O inventário é necessário?
Reprodução: Reclamar adianta
O inventário é necessário?

Meu pai faleceu recentemente e deixou um pequeno apartamento e um carro. Precisamos fazer o inventário desses bens? Tenho duas irmãs e minha mãe está viva. (Lilian Pereira, Cosme Velho)

Segundo a advogada Luciana Gouvêa, quando uma pessoa morre e existe patrimônio a ser dividido e passado para o nome dos herdeiros, de acordo com as leis brasileiras, isso só pode ser feito através de Inventário e de Partilha. O prazo para ser iniciado é de dois meses a contar da data do óbito do inventariado (quem faleceu), sob pena, de ser cobrada multa de 10% em cima do valor do imposto devido referente à transmissão dos bens aos herdeiros.

“Lembrando que abre o inventário quem estiver na posse e administração dos bens e direitos deixados por quem morreu”, esclarece a especialista.

Normalmente os inventários são realizados nos Tribunais de Justiça, e isso é possível fazer com a contratação de advogados ou pela Defensoria Pública, de forma gratuita. Luciana Gouvêa lembra que atualmente é possível a realização de inventários e partilhas sem a necessidade de ir ao tribunal.
“Neste caso, é preciso que todos os interessados sejam maiores de 18 anos, capazes e concordem com a forma de divisão os bens. Esse procedimento é feito através dos cartórios de notas (Tabelionatos) e, obrigatoriamente, com a ajuda de advogado”, esclarece.

O inventário nada mais é que um procedimento jurídico que tem como objetivo transferir a propriedade de um ente falecido para os herdeiros, finaliza o advogado Átila Nunes, do serviço www. reclamar adianta com br. O atendimento é gratuito pelo e-mail atilanunes @ reclamar adianta . com . br ou pelo WhatsApp (21) 993289328.


Casos resolvidos: André Santos (Mercado Livre), Fabiano Gomes (Amil) Jaqueline Barbosa (Unimed Rio)


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários