Tamanho do texto

Afastamento de Paulo Henrique Amorim reforça tese de que o governo usa a máquina do Estado e o seu poder gigantesco para perseguir inimigos; confira

Paulo Henrique Amorim
undefined
Jornalista Paulo Henrique Amorim foi afastado da Record após mais de uma década no Domingo Legal

Mais um episódio do que parece ser uma perseguição política contra jornalistas críticos ao governo.

Essa foi a vez, depois de Marco Antônio Villa e de Rachel Sheherazade , de Paulo Henrique Amorim, o âncora do Domingo Legal da TV Record . A emissora o afastou de seu programa dominical , líder de audiência, que apresentava há 12 anos. 

O curioso é que todos os personagens dessa verdadeira caça às bruxas são grandes expoentes do jornalismo, verdadeiras galinhas dos ovos de ouro para os seus empregadores. 

Imaginem os leitores, que tipo de pressão faria uma empresa ter de se livrar dos seus principais ativos! Que tipo de ameaça, ou de favores, pode motivar alguém a cortar o próprio braço? 

Se há ameaça ou favores, o importante é que o governo , nessa hipótese, usa a máquina do Estado e o seu poder gigantesco para perseguir inimigos, precisamente aqueles inimigos dos quais depende a alteridade de pensamento e de opinião. 

E isso, se de fato aconteceu, é golpe brutal contra a liberdade de imprensa , para que dela só brotem elogios. Uma tentativa de assassinato do jornalismo crítico, investigativo, do jornalismo de oposição e do livre pensar, que são alicerces da democracia e do Estado de Direto. 

Leia também: Marco Antonio Villa: Bolsonaro demoniza Congresso e despreza pilar democrático

Uma tentativa, até agora bem sucedida, de controlar o coração e a alma, por meio do pensamento, das brasileiras e dos brasileiros. 

A imprensa, todavia, como coletividade, haverá de se opor a esse ataque e, corajosa como foi em tempos ainda mais tenebrosos, resistir para o bem do bom, do belo e do justo.

O conteúdo desta coluna não necessariamente representa a opinião editorial do iG 

Walfrido Warde é advogado, escritor e presidente do IREE, Instituto para a Reforma das Relações entre Estado e Empresa. Escreve para o iG na coluna “Poder para o Povo” todas as quartas-feiras.