Senador Wellington Fagundes quer que indústrias de produtos de proteção animal produzam vacinas
Pedro França/Agência Senado
Senador Wellington Fagundes quer que indústrias de produtos de proteção animal produzam vacinas

Está em fase adiantada uma articulação em Brasília que interessa diretamente a Fiocruz, que tem sede no Rio de Janeiro. Nesta semana, quase no final de uma das sessões plenárias, o senador Wellington Fagundes (PL-MT), líder do Bloco Moderador, cobrou empenho do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, junto ao Ministério da Saúde e da Anvisa para uma rápida definição sobre o oferecimento na fabricação de vacinas contra a Covid-19, pelas três maiores indústrias de produtos de proteção animal do país. De acordo com o parlamentar, elas se propõem a interromper, temporariamente, suas linhas de produção regulares (vacinas contra febre aftosa, raiva etc) para dedicar-se integralmente à fabricação de vacinas contra o vírus.

Resultado rápido

Fagundes garante que as indústrias podem, em 90 dias, produzir cerca de 400 milhões de doses, que viriam a se somar aos cerca de 560 milhões de doses já contratadas pelo Ministério da Saúde. Ele vê vantagem adicional de as empresas dominarem tecnologia de produção do vírus inativado. Além disso, se a iniciativa for acolhida o Brasil reduzirá sua dependência do IFA atualmente importado. As fábricas com condições de realizar este trabalho estão localizadas em Minas e São Paulo. Na opinião do parlamentar isso liberaria a Fiocruz para se dedicar a pesquisa, seu foco principal. Para o senador, o esforço no momento deve ser coletivo para enfrentar a pandemia que já matou mais de 325 mil mortos no país. "Agora, mais do que nunca, temos que buscar a união de todos. Agora, estamos numa guerra. Acima de tudo, temos que olhar a vida. Salvar vidas. Não podemos pensar no interesse comercial. Esse é o momento de todos nós juntarmos as mãos para que a gente possa vencer essa pandemia, que está atormentando a todos", disse em entrevista exclusiva ao jornal O DIA.

Reembolso para deputados

O deputado estadual Carlos Minc (PSB) se revoltou com a decisão da Câmara de Deputados em aumentar em 171% o valor do ressarcimento de despesas de saúde dos parlamentares. "Um escárnio! Nada justifica este grande aumento em plena pandemia, explosão do desemprego e dos miseráveis. Corporativismo imoral!".

Prestação de contas trimestral

O deputado federal Paulo Ganime (Novo), que está em seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados, já protocolou 30 projetos de lei e 166 propostas. Em 2020, ele teve 100% de presença nas sessões deliberativas. Ele foi autor do requerimento de urgência para agilizar a votação da Nova Lei do Gás, aprovada no último dia 17 de março, que vai atrair R$ 150 bilhões em investimentos e reduzir o preço do gás natural ao consumidor final.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários