Armed Nemr Sarieddine
Divulgação
Armed Nemr Sarieddine

A iniciativa dos prefeitos Eduardo Paes, do Rio de Janeiro, e Axel Grael, de Niterói, em adotar medidas mais radicais de restrição social incentivou empresários das duas cidades a reivindicar uma ajuda emergencial que facilite o enfrentamento da paralisação das atividades. As medidas que serão implantadas do dia 26 de março até 4 de abril incluem o fechamento de atividades não essenciais, como clubes, museus, salões de beleza e shoppings (mantidas apenas lojas essenciais, como farmácias). Está também suspenso o funcionamento presencial de creches, escolas e universidades. Diante do aperto, uma parte dos empresários cariocas está se mobilizando para que não sejam cortados os fornecimentos de energia, gás e água neste momento da pandemia. A ação é capitaneada pelo coordenador executivo de diálogos setoriais da cidade do Rio, Armed Nemr.

Cadeg

Armed, que durante anos foi o principal líder empresarial do Cadeg - Mercado Municipal do Rio de Janeiro, entende que medidas restritivas de circulação são importantes, mas, ao mesmo tempo, é necessário que os fornecedores de serviços públicos, juntamente com bancos e demais instituições financeiras, flexibilizem o pagamento de taxas e encargos. Ele defende o adiamento do pagamento para que os comerciantes e empreendedores ganhem fôlego financeiro. Ele cita como um exemplo do que se fez na primeira fase da pandemia onde se esticou a mão para o empresário e foi possível vencer os primeiros obstáculos da pandemia.

Violência contra a mulher

A prevenção de todas as formas de violência contra a mulher deverá ser incluída nos currículos escolares e materiais didáticos das escolas públicas e privadas de todo o país. É a proposta do projeto de lei apresentado por Daniela do Waguinho (MDB), em tramitação na Câmara dos Deputados. “O ensino pode ser decisivo para a redução da desigualdade de gênero. Precisamos construir um currículo escolar que valorize a conscientização do papel da mulher na sociedade. A sala de aula é o espaço onde podemos diminuir a distância entre a desinformação e o conhecimento que ajuda na transformação cultural”, explica a deputada.

Falta de insumos

A prefeita de São João da Barra, Carla Machado, buscou ajuda na Alerj para a grave situação do seu município diante da expansão do coronavírus. A cidade está com dificuldade de conseguir bombas, respiradores e máquinas. “Nem vacina estamos conseguindo comprar e ainda estamos correndo o risco do Ministério Público nos acusar de superfaturamento, porque quando encontramos suprimentos eles já estão com os preços altos”, disse Carla.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários