Número de endividados no país chegou a nível mais alto em 11 anos
Pixabay
Número de endividados no país chegou a nível mais alto em 11 anos

Sem o auxílio emergencial e nenhuma ajuda mais efetiva à classe trabalhadora e aos empresários, todos teremos um ano muito difícil. O poder público precisará ter paciência com os devedores. Só para se ter uma ideia, está vindo por aí a obrigatoriedade de pagamento do FGTS, IRRF, DAE, ISS, EFD (Escrituração Fiscal Digital), DCTFWeb (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais), INSS, DCTF, PIS/Cofins/CSLL, Folha de Pagamento, DIRF, Material Escolar, Mensalidades Educacionais, Plano de Saúde, Despesas familiares e o que mais o leitor lembrar. Se a lista de impostos não for suficiente para se ver que precisa-se urgentemente de uma reforma tributária, seguem outros argumentos "matadores".

ENDIVIDADOS

De acordo com o estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o percentual de endividados no país fechou, em 2020, em 66,5%. Este é o nível mais alto em 11 anos. As famílias com contas ou dívidas em atraso chegaram a 25,5% no ano passado, acima dos 24% de 2019. Segundo a pesquisa, o percentual de pessoas que se disseram muito endividadas subiu de 13,3%, em 2019, para 14,9%, em 2020. As principais fontes de dívidas são cartão de crédito (78,7%), carnê (16,8%), financiamento de carro (10,7%), financiamento de casa (9,5%) e crédito pessoal (8,5%). Em 2020, o tempo médio de comprometimento das famílias com dívidas chegou a 7,2 meses, acima dos 6,9 meses no ano anterior. Diante desse cenário, o crédito consignado apresenta-se como uma boa opção para quem está com as contas no vermelho. Em janeiro de 2021, a ConsigaMais+, empresa de crédito consignado privado, registrou o valor de R$ 14.482.702 de empréstimo. O que aponta um aumento de R$ 2.802.723 em comparação ao mesmo mês do ano anterior. Já em relação ao número de pessoas que recebem o crédito, o aumento foi de 722 novos clientes e 6 novas empresas conveniadas.

Rodrigo Maia ganhou ou perdeu?

A avaliação mais imediata da eleição na Câmara é que o deputado Rodrigo Maia foi o grande perdedor diante da vitória do governista Arthur Lira. No entanto, existe nos bastidores outra leitura. A de que Maia voltará a ver seu prestígio crescer. O que dizem é que os "coveiros de agora" não estão olhando para frente. A direita acha que ganhou. Mas quem colherá bons resultados será o centro e a centro-esquerda.

Rio de Janeiro x São Paulo

"De 2014 até 2020, a cidade do Rio de Janeiro perdeu quase 500 mil empregos com carteira assinada, é quase o dobro do que a cidade de São Paulo perdeu no mesmo período. O estado do Rio perdeu de 700 mil empregos, uma queda de 18, 3%, enquanto o estado de São Paulo teve 4, 3% de redução", explica o economia Mauro Osório, assessor fiscal da Alerj.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários