Júlio Lopes
Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Ex-deputado Júlio Lopes é um dos investigados na Operação Fim do Túnel

Um dos alvos da Operação Fim do Túnel, deflagrada ontem (7) pela Polícia Federal e o Ministério Público Federal, foi o ex-deputado federal e ex-secretário de Transportes do estado, na gestão de Sérgio Cabral, Júlio Lopes. Empresário da área educacional, Lopes sempre transitou bem na chamada alta sociedade do Rio de Janeiro. Tornou-se popular por seu namoro com a modelo Adriane Galisteu. Na política, sempre foi respeitado dentro do PP, Partido Progressista. Seus problemas começaram quando passou a auxiliar o ex-governador Sérgio Cabral.

INVESTIGAÇÃO

Na pasta de Transportes, ele teria usado o cargo para solicitar propinas da Odebrecht no valor de R$ 6,4 milhões, entre junho de 2010 e novembro de 2014. Na época, a empreiteira estava responsável pela construção da Linha 4 do Metrô do Rio.

Além disso, Júlio Lopes teria recebido R$ 7,6 milhões da Fetranspor em troca do ressarcimento dos valores do Bilhete Único para as empresas, entre julho de 2010 e março de 2015.

Segundo a Polícia Federal, Julio Lopes deixou um rastro nebuloso também na área da Saúde. A investigação da PF diz que como deputado, entre 2016 e 2017, Lopes desenvolveu ações para que houvesse favorecimento a uma empresa de Saúde para contratos no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Júlio Lopes teria recebido três parcelas de R$ 250 mil.
Em nota, a defesa afirma que "ao longo de quatro anos de investigações, Júlio Lopes sempre se colocou à disposição das autoridades para explicar qualquer fato. Júlio Lopes não praticou nenhum crime ao longo de sua gestão na Secretaria de Transportes e, não por outra razão, as afirmações caluniosas de delatores nunca foram levadas a sério. A esdrúxula medida, que versa sobre fatos requentados, sequer poderia ter sido decretada pelo juízo da Sétima Vara Federal do Rio de Janeiro, por ofender a competência da Justiça Eleitoral, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal".

Derrota de Maia impacta no Rio

O STF barrou a possibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), no ano que vem. Maia, que é do Rio de Janeiro, continuará sendo homem forte nos bastidores para tentar a continuidade apoiando outro nome que não o seu. Para o Rio de Janeiro, não deixa de ser uma baixa, caso seu aliado venha a não ser escolhido na disputa em fevereiro.

Futebol de olho no 5G

Mercado já bem difundido na Europa, as operadoras virtuais de telefonia móvel viraram febre no mundo do futebol brasileiro. No Rio, já temos o Fluminense, o Vasco e o Botafogo que entraram em campo e lançaram suas operadoras próprias. O São Paulo FC (om o SPFC Chip), o Cruzeiro (com a Cruzeiro Celular), o Bahia (com a Esquadrão Celular), o Sport, o Fortaleza, a Portuguesa (Lusa Fone), o Paysandu (Chip do Papão) e o Ceará (Vozão Phone) também estão indo na mesma linha. Até o fim do ano, é a vez do Internacional (Gigante), Grêmio (Grêmio Cell) e do Palmeiras (Alô Verdão).

Twittadas do Nuno

“Organizo tudo para meus filhos não saírem de casa quando trabalho. Quem mora em comunidade tem medo de perder o filho para o tráfico ou em confrontos. Quando uma criança morre dentro de casa por bala perdida, a gente fica sem saber o que fazer”. Moradora do Complexo de São Carlos.

As mortes prematuras das primas Emilly e Rebeca trazem à tona mais uma triste realidade do Rio: as balas perdidas que encontram vítimas inocentes. Deveria ser inimaginável não ter segurança nem dentro da sua casa. A população já fica à mercê em diversos aspectos, esse não pode ser mais um.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários