Um dos subprodutos mais cansativos desta pandemia do coronavírus tem sido a escassez de notícias sobre outros assuntos. Até pela gravidade da situação, parece que este o único tema que interessa e, por causa disso, muita gente desinformada passou a dizer, com ar de especialista, uma quantidade impressionante de tolices. Foi o que fez, por exemplo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O presidente Lula fala aos jornalista na sala de sua casa
Claudio Reis / FramePhoto / Agência O Globo
Lula

Em entrevista recente ao Diretor de Redação da Revista Carta Capital, Mino Carta, Lula aplaudiu (isso mesmo, aplaudiu) o surgimento do coronavírus como um “milagre” que está “permitindo que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises”. E para deixar bem claro o que estava pretendendo dizer, insistiu: “Essa crise do coronavírus somente o Estado é que pode resolver”.

COCEPÇÃO POPULISTA DE ESTADO 

Vamos nos concentrar apenas no oportunismo de Lula e esquecer por um minuto sua condição jurídica. Condenado a mais de 20 anos de prisão em processos nos quais teve e exerceu o mais amplo direito de defesa, ele parece viver num mundo direrente do de todas as outras pessoas. A questão, aqui, é outra: Lula se apoia numa situação que não podia ser prevista por ninguém há apenas seis meses para defender sua concepção anacrônica e populista de Estado . Além disso, ele aproveita para jogar a culpa pela situação terrível que o país está vivendo nas costas de qualquer um que defenda um modelo diferente do que ele mesmo adotou. E, finalmente, ignora o esforço impressinante que a sociedade tem feito para sobreviver à pandemia e para preservar seus empregos e suas empresas.

O ex-presidente, claro, não foi o primeiro a falar besteiras a respeito de um assunto tão sério. Já em abril, sua discípula Dilma Rousseff , numa dessas demonstrações de confusão mental que se tornaram indissociáveis de sua figura, tinha dito que “o vírus é muito solerte, muito esperto”. (Isso mesmo. Ela chamou de “esperto” um elemento acelular, formado por um núcleo genético, envolvido por uma capa de gordura e nada mais). Ele “chega devagarzinho, tem um tempo considerável de incubação e pode surpreender”. Sem perder tempo tentando decifrar o que ela quis dizer com isso, é bom lembrar que Sua Excelência, fiel a seu estilo, fala do que desconhece.

IGNORÂNCIA OU DESONESTIDADE INTELECTUAL

Dilma só tem lugar na história pelo sucesso que teve em lançar o Brasil numa crise econômica monumental e levar ao limite a tese lulista de que o Estado tem que se meter em tudo, tomar conta de tudo e gastar o que não tem para beneficiar os que se apoderaram dele. Alguém enxergar nesse modelo a solução para um mal grave como a pandemia do coronavírus só se explica por ignorância, desonestidade intelectual, oportunismo ou, como parece ser o caso de Lula, pela soma de tudo isso.  

A crise profunda para a qual Dilma e seu braço direito, o economista Nelson Barbosa, empurraram o país não foi e nem poderia ter sido resolvida no primeiro ano do atual nem de qualquer outro governo que tivesse sido eleito no lugar dele. Dada a gravidade da situação, isso seria simplesmente impossível. Veio o segundo ano e, quando o Brasil começava a esboçar sinais de reação, se viu colhido por uma crise que varreu tudo o que encontrou pela frente e tornou pior o que já estava ruim.

TERRA ARRASADA

A situação é de “salve-se quem puder” e cenários de terra arrasada como esse costumam ser férteis para oportunistas . Eles se apoiam nas dificuldades da população, mas se esquecem de admitir que uma parte significativa da situação atual é consequência das decisões incompetentes que tomaram no passado. E apontam como solução para o problema um caminho que, se for implementado, apenas contribuirá para perpetuar as dificuldades que o país atravessa.

Ao contrário do que Lula parece acreditar, a crise que ele e seu partido criaram (e que, de fato, foi agravada pela pandemia do coronavírus) só se resolverá se o Estado eliminar todo tipo de protecionismo que ainda existe na economia e abrir espaço para o capital privado fazer os investimentos que devolverão ao país a chance de voltar a crescer. O Estado tem um papel importante a cumprir nesse esforço, mas seu papel será mais o de induzir e formular do que de executar as políticas. Isso parece óbvio mas, infelizmente, não faz parte da preocupação de políticos que só pensam em se beneficiar da situação precária em que o país se encontra — e tentar defender seus privilégios num cenário em que o dinheiro disponível certamente não dará para todo mundo.

VERTEDOURO DE RECURSOS

É triste: além de ter se tornado o único assunto da praça, a pandemia do coronavírus tem servido de desculpa e de cortina de fumaça para que os políticos ponham em prática uma vocação que parecia ter sido posta de lado desde que se tornou a necessidade de uma política econômica mais austera e capaz de restaurar a confiança que o Brasil perdeu nãos mãos de um governo incapaz de honrar seus compromissos.

Nos últimos meses, os cofres da União têm sido vítimas da tentativa que deputados e senadores têm feito para multiplicar como puder a ajuda que o Executivo vem prometendo aos estados e municípios. A consequência foi a abertura de um vertedouro voraz de recursos, distribuídos com uma falta de controle que só favorece a ação dos oportunistas.

Os desvios de recursos que deveriam ser aplicados na compra de respiradores e de outros equipamentos só existem porque o Estado foi tomado de assalto por gente que se beneficia do fato dele ser obeso, lerdo e sonolento. Por mais críticas que o atual governo mereça, é preciso ter claro na memória que o país só mergulhou na situação crítica em que se encontra porque, não faz tanto tempo assim, estava nas mãos dos que agora querem dar lição de moral para todo mundo.

    Leia tudo sobre: Lula

    Veja Também

      Mostrar mais