Existem livros contrários aos principio da Família Tradicional que os pais devem rejeitar
Divulgação
Existem livros contrários aos principio da Família Tradicional que os pais devem rejeitar

Obras como “All Boys Aren’t Blue”, “Gender Queer”, “O Conto de uma Aia” ou até “Maus: a história de um sobrevivente” integram as listas dos livros que tem como função seduzir os alunos à Ideologia do Gênero nos EUA.

As listas são partilhadas nas redes sociais, mas a verdadeira ação é feita nas escolas.

Grupos de pais norte-americanos estão de parabéns por estarem a exigir às bibliotecas escolares que retirem vários livros por abordarem temas de sexualidade, identidade sexual ou de gênero.

Este movimento que defende os bons costumes e tradições judaico-cristãs está a crescer nos Estados Unidos e já motivou mais de 330 queixas junto da Associação Americana de Bibliotecas.

No estado do Tennessee, por exemplo, a administração de uma escola votou a remoção do livro “Maus: a história de um sobrevivente” por ter imagens de nudez e asneiras. A obra de banda desenhada, da autoria de Art Siegelman, integrava o programa do 8.º ano sobre o Holocausto e a II Guerra Mundial.

Em Wyoming, bibliotecários enfrentam acusações por disponibilizarem livros como “Sexo é uma palavra engraçada”, de Cory Silverberg, ou “Este Livro é Gay”, de James Dawson.

Á polêmica até já chegou ao Senado: no estado do Oklahoma, um projeto de lei pretende proibir nas escolas todos os livros que abordem sexualidade, identidade sexual ou de gênero.

Quem quer proibir livros nas escolas e por quê? São vários os grupos de pais que se unem nesta cruzada. Entre eles está o “No Left Turn in Education” – “Não virem a educação à esquerda, em tradução livre, o que já acontece também em Portugal com este governo “socialixo” dos últimos anos – que considera que estes e outros livros “são usados para espalhar ideologias radicais e racistas aos estudantes”.

Também o “Moms for Liberty” – “Mães pela liberdade” – é defensor deste movimento e partilha uma lista de livros proibidos no Facebook. Parabéns, parabéns.

Durante o outono, a Associação Americana de Bibliotecas recebeu 330 relatos de pedidos para retirar livros, o que consideram ser um número “sem precedentes”.

Além de haver um aumento de denúncias, o método de proibição é também novo: munidos de uma das várias listas de obras proibidas que estão a ser partilhadas nas redes sociais, os encarregados de educação tentam bloquear o acesso às obras em cada escola.

Atitude! Os pais tem o direito de zelar pela educação e a moral dos seus filhos.

Leia Também

O movimento está a acontecer em vários estados norte-americanos.

Entre as obras com mais pedidos de remoção estão “All Boys Aren’t Blue” de George Matthew – que foi denunciado em 14 estados -, “Lawn Boy” de Jonathan Evison, “Gender Queer” de Maia Kobabe e “O Olho Mais Azul”, de Toni Morrison.

Davide Pereira
Divulgação

Davide Pereira ativista evangélico defensor do conceito bíblico da Família.

Quem defende a proibição dos livros garante que estas obras interferem com o direito dos pais de escolher a educação que dão aos filhos.

Por outro lado, quem não concorda com este movimento afirma que a proibição das obras retira direitos aos encarregados de educação que querem que os filhos tenham acesso livre às obras. No meio ficam as escolas e bibliotecas – algumas já desenvolveram mecanismos que impedem o aluno de alugar um livro considerado proibido pelos progenitores.

Christopher M. Finan, o diretor executivo da National Coalition Against Censorship, explica ao The New York Times que este é o maior movimento contra obras literárias praticado desde os anos 1980 – quando se elevou uma tendência conservadora que tinha um objetivo semelhante. No entanto, lembra que esta intenção de proibir livros acontece em simultâneo com uma tendência crescente de escrever e publicar conteúdos mais inclusivos.

Os livreiros norte-americanos temem que este movimento possa ir mais além: no Texas, o governador Greg Abbott exigiu que todas as escolas e instituições de ensino fossem investigadas, de forma a identificar “qualquer atividade criminal nas escolas públicas envolvendo a disponibilização de pornografia”, o que pode traduzir-se em processos judiciais contra os funcionários das bibliotecas.

Também na Carolina do Sul, o governador pediu que a investigação da presença de materiais “obscenos e pornográficos” – e deu como exemplo o livro “Gender Queer”.

Por atitudes como estas e muitas outras, os Estados Unidos da América, fundado, maioritariamente por reformadores puritanos protestantes, tornou-se num grande país.

Aproveito estas linhas para dizer que os EUA abençoam o Estado de Israel e quem o faz é sempre abençoado por Deus.

Portugal necessita voltar-se para Deus.

Quando os políticos não podem, Deus pode.

Davide Pereira.
Finlândia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários