Rita Matias, eleita deputada do CHEGA por Lisboa
Reprodução
Rita Matias, eleita deputada do CHEGA por Lisboa

O CHEGA de André Ventura está de parabéns depois do estrondoso sucesso nas legislativas do passado domingo, o tão esperado dia 30 de Janeiro que os portugueses não irão esquecer.

O CHEGA tornou-se a 3ª força política do país e consegue eleger 12 deputados. Entre os novos parlamentares há 11 homens e apenas uma deputada - Rita Matias.

Confrontada pelos meios de comunicação afirma: “Acho que é indiferente ser a única mulher. Estamos lá pelo mérito e não por ser de um sexo ou de outro”.

Só há uma mulher nos deputados do Chega.

Quem é Rita Maria Cid Matias? Vogal da Direção do Chega e agora eleita deputada por Lisboa com todo o mérito para ocupar uma das 230 cadeiras da Assembleia da República.

Nasceu em Setúbal e tem 23 anos de idade e é politóloga e política. É detentora de um Mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais.


Começa a ganhar notoriedade no Partido, a partir do segunda Convenção do CHEGA em Évora, onde a convite do presidente do partido André Ventura , foi eleita vogal da direção nacional.

Nas redes sociais os comentários foram: “extraordinário o discurso da Rita Matias em Évora , temos MULHER”.

Rita Matias é a responsável pela criação da Juventude CHEGA e como defensora das camadas juvenis, uma das afirmações que também a popularizou foi ao Jornal i ao dizer que “na minha geração estamos em condições laborais precárias, não conseguimos adquirir casas”.


Esteve sempre com a caravana do partido durante a campanha eleitoral, todo o coração e com um entusiasmo contagiante, sendo responsável por filmar as ações de campanha para as redes sociais.

Autora também da moção Mulheres CHEGA, onde as subscritoras manifestaram-se antifeministas, contra o aborto e defensoras da família tradicional.

Leia Também

A politóloga e a agora eleita deputada Rita Matias, assume-se como grande defensora da família tradicional e é contra a despenalização do aborto.

E não esconde a sua total oposição ao conceito de “feminismo que está hoje representado no parlamento e em algumas associações”.

Rita Matias. A política conquistou o coração dos mais novos. Portugal a mudar
Reprodução
Rita Matias. A política conquistou o coração dos mais novos. Portugal a mudar

Segundo ela, “não falam das reais necessidades das mulheres”, diz, argumentando que não compreende a ideia de esse feminismo "radical " preconizar que o sexo feminino deve ter uma voz através de “uma competição entre homem e mulheres” , colocando “as pessoas em oposição”

“As causas das mulheres, laborais e familiares, ganham mais com os homens do nosso lado. Não é com um dialogo de agressão que vamos conseguir conquistar o quer que seja.” 

Segundo a nova deputada, que iniciou a sua atividade política próxima da Juventude Popular do CDS-PP, tendo decidido mudar de partido quando surgiu o CHEGA de André Ventura.

“Há temas, como as duas mil portuguesas que não tiveram os contratos renovados por estarem grávidas ou a violência obstétrica, de que esse feminismo não fala. Mas depois lutam de forma histérica por outras pequenas conquistas”, diz Rita Matias, que é filha do ex-líder do Partido Pró-Vida/Cidadania e Democracia Cristã (PPV/CDC) Manuel Matias.

“Honra a teu pai e tua mãe”; este é o primeiro mandamento com promessa…” Êxodo 20:12.

Finalizo com a citação de um cristã do passado que disse o seguinte: “nasci para ser luz do mundo e sal da terra, e só por isso, luto todos os dias contra a minha natureza humana para que eu cumpra o meu chamado”.

Rira Matias, todos nós que votamos CHEGA esperamos que sejas a nossa voz na Assembleia da República. Uma Luz que dissipe as trevas e traga uma nova esperança ao povo português que tão bem irás representar.

Davide Pereira.
Finlândia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários