null
Reprodução
undefined

Divulguei no WhatsApp, já que não tenho nenhuma outra rede social, um
artigo do Maurício Rands, um amigo que admiro, cujo tema me interessa e
com o qual concordo, em linhas gerais, “Causas identitárias: os métodos
importam”. Por estar chegando de carro a Granada, na Espanha, não
consegui ler os dois últimos parágrafos, mas ainda sim postei.

No último parágrafo do texto, havia um fato não verdadeiro: Chico Buarque
teria cancelado a música “Com açúcar, com afeto”. Isso não aconteceu. O
próprio Chico esclareceu que não canta essa música há 30 anos, mas nunca
pediu para ninguém deixar de cantá-la. Ou seja, num cardápio das melhores
letras do mundo, que são dele, ele canta o que quer. Maravilha da vida. Sem
dar palpite a quem quer que seja. Sem orientar e sem cancelar. É o Chico,
simples assim.

Cometi o erro que todos nós criticamos, que é o de dar visibilidade a um
fato que contém uma inverdade, uma fake news. O autor, Maurício, digno
como é, fez a ressalva quando o avisei que o próprio Chico havia me
alertado que nunca cancelou a música “Com açúcar, com afeto” e nem
nenhuma outra. Afinal, o espírito do Chico é libertário e nunca cancelador.

Que vida a nossa nestes tempos virtuais! Não temos tempo sequer de ler
com a devida atenção todas as informações que nos chegam. E, se as
repassamos, acabamos nos tornando fonte secundária de uma informação
não verdadeira.

O artigo tinha como parte do título “métodos importam”, instigante e
louvável. Mas, na realidade, o método não importou ou não foi seguido à
risca. Ou seja, em tempos de mensagens espalhadas como notícias, o
melhor é nós termos um cuidado dobrado. Afinal, os métodos importam.

Leia Também

E eu, apaixonado pelo Chico, percebo-me novamente ouvindo a música que
não foi cancelada, que é linda, amorosa e dá uma vontade de encontrar um
novo amigo para batucar na caixinha um samba antigo para eu poder
comemorar.

Alegra-me poder dar um beijo real, e não em um retrato, nesses tempos
estranhos em que estávamos quase saindo da pandemia e, de repente,
voltamos de novo. Mas, principalmente, poder abrir os braços e voltar a
abraçar carinhosamente nossos amores.

De preferência, fazendo como o Chico e não cancelando ninguém, salvo, é
claro, os fascistas que não merecem nem o nosso afeto e nem o nosso doce
predileto. E, como ensina o Chico, “pela minha lei, a gente era obrigado a
ser feliz.”

Vamos trazer nosso país e nossos sonhos de volta. Lembrando sempre,
como na letra da música, “a felicidade morava tão vizinha, que, de tolo, até
pensei que fosse minha”. Vamos ser felizes de novo!

Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários