Embaixador Cesário Melantonio Neto
Divulgação
Embaixador Cesário Melantonio Neto

A criação da Secretaria Especial de Estudos Econômico s, no Ministério da Economia, visa o esvaziamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA).

O desmonte dessas instituições corresponde ao plano de alterar os dados da realidade para 2022, com fins eleitorais.

Essa nova Secretaria vai abrigar o IBGE e o IPEA .

A intenção do Planalto é intervir diretamente nos dois institutos, hoje duas usinas de más notícias para o Ministério da Economia .

Se há dados negativos para esse Ministério é porque o próprio Executivo federal os produz de forma abundante.

Pouco a pouco estão transformando órgãos do Estado e de governo em estruturas adaptadas ao atendimento de interesses particulares.

Foi assim com a Procuradoria Geral da República, com a Polícia Federal e com a Agência Brasileira de Inteligência.

No próximo ano, esse aparelhamento do Estado deve continuar e se intensificar com a pressão eleitoral.

O uso das instituições estatais para fins e lucros privados está se tornando prática diária do Planalto.

Como se vê, não faz sentido o Ministério da Economia criar uma “fábrica de e estudos" pois ela já existe no IBGE e no IPEA.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) vai fechar o seu escritório no Brasil porque suas projeções desagradaram o grupo do poder em Brasília.

"Estamos dispensando missão do FMI e dissemos para eles fazerem previsão em outro lugar” disse o titular do Ministério da Economia.

Pelo jeito a briga contra as estatísticas e os fatos faz parte da estratégia eleitoral do atual Executivo Federal.

Leia Também

Não adianta querer enganar os outros. Os fatos negam as mentiras como o aparelhamento por militares dos órgãos de controle do meio ambiente.

Nesse contexto o Brasil de hoje optou no momento por querer estar isolado no mundo.

O Brasil abriu mão de estar presente nos múltiplos tabuleiros internacionais.

Na conferência COP 26 do clima, por exemplo, não adianta fazer um discurso falso porque o discurso tem de corresponder minimamente à realidade. O discurso não pode ser totalmente discrepante dos fatos e das estatísticas.

O desmatamento é monitorado por satélites, por exemplo, e não adianta tentar enganar outros países pelo aparelhamento das nossas instituições estatais.

A realidade no terreno mostra que o Planalto desmantelou o aparelho fiscalizatório e regulatório do meio ambiente.

Essa política da falsidade faz o país ser visto como mentiroso.

Não é mais possível, no mundo de hoje, esconder a sujeira debaixo do tapete.

Atualmente, o Brasil não consegue se colocar nem em evidência e nem em relevância.

Só com a reconstrução dos aparelhos estatais vamos recuperar o prestígio e a confiança internacionais.

Em 2022, a marcha de destruição das nossas instituições vai continuar sem sombra de dúvida.

O quadro inspira cuidados e demanda clareza e coragem do conjunto das forças de oposição democrática.

Trata-se, afinal, de uma agenda de reconstrução democrática do Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários