embaixador Cesário Melantonio Neto
embaixador Cesário Melantonio Neto
embaixador Cesário Melantonio Neto

Um tema atual na Europa é a discussão sobre a toxicidade do Brasil para o sistema internacional.

As posturas recentes contra o multilateralismo, a globalização, a preservação do meio ambiente, a defesa dos direitos humanos e das minorias, e as manifestações repetidas contra o processo democrático, afetam a imagem brasileira no exterior.

As declarações sobre uma intervenção militar abalam o nosso prestígio internacional e apontam para uma militarização progressiva do poder político.

Segundo relatório do Tribunal de Contas da União ( TCU ), 6.157 militares ocupam funções reservadas normalmente a civis. E mais da metade desses militares estão na atividade. Em 2016, eram 2.957 militares a exercer tarefas de civis.

Após dois anos e meio de presença das forças armadas no núcleo do poder, o desgaste da reputação brasileira cresceu na imprensa mundial por essa lenta colonização bélica do aparelho do Estado.

A violência dos comentários contra os outros Poderes intoxicam a vida política brasileira em favor de movimentos radicais evidentes. Os guerreiros digitais dessas forças propagam diariamente a necessidade de uma democracia tutelada pelos militares .

A politização dos militares e a impunidade são caldo de cultura a insuflar novas aventuras contra as instituições da República . A defesa de teses partindo do princípio de que só os mais fortes sobreviverão divide a nação e atenta contra a vida.

O aparelhamento do governo instaura uma doutrina autoritária em busca de um regime ditatorial que garanta a permanência no poder a qualquer preço, e sem data para acabar, em desrespeito às instituições democráticas.

O caudilhismo é fenômeno bem conhecido na América Latina e revivido de tempos em tempos, mas inaceitável pela comunidade internacional. Esse populismo barato e primitivo afeta enormemente a boa imagem de que o Brasil gozou por tanto tempo.

Um projeto de perpetuação no poder está em curso e a manipulação de instituições do Estado cresce a cada dia. A idolatria de práticas de regime de exceção acalenta um prazer mórbido e promove a necropolítica .

Você viu?

A destruição deliberada do sistema de educação pública faz sentido para manter os seguidores na ignorância e faz parte integrante de uma estratégia de subjugação.

O caldo de insurgência e insubordinação cresceu e sorrateiramente envolve os mecanismos do processo democrático com a disseminação de ódio e de mentiras por meio da internet.

A usurpação de maneira patrimonialista do poder fica sempre na contramão da História e cedo ou tarde a população acorda e compreende que a esperança não está com os ditadores.

A contemporização nunca foi boa conselheira para a manutenção do processo democrático e muito menos a subserviência. A política do apaziguamento e pacificação aumenta o desejo das forças retrógradas de vencer essa luta entre civilização e barbárie.

Caso a única agenda seja a desestabilização do país e o aumento da toxicidade, vamos correr o risco de uma ruptura institucional e de uma ainda maior marginalização internacional.

Como disse a revista britânica “The Economist”, o Brasil vive a situação mais tenebrosa desde a década de 80. O maior risco nessas situações é subestimar os perigos e minimizar ou ignorar as ameaças.

Como dizia Sócrates, nesses momentos torna-se necessária uma escolha entre a covardia e a coragem. Na recente reunião do G7 na Inglaterra temas como o combate à pandemia e a preservação do meio ambiente foram prioritários e marginalizaram o Brasil por suas políticas negacionistas, em ambos os assuntos. Coragem para mudar essas atitudes negacionistas constitui-se na única maneira de recuperar o prestígio internacional perdido.

No Brasil morrem quatro vezes mais pessoas por Covid-19 do que a média mundial. Em todos os levantamentos, o Brasil está entre os países em que mais morrem pessoas pela pandemia no mundo quando considerado o número de óbitos em relação ao tamanho da população.

Informações da publicação digital especializada “Our World in Data”, do início do mês passado, colocam o Brasil como nação com mais mortes por Covid-19 em relação à sua população entre aquelas mais populosas.

Com o Brasil próximo de alcançar a trágica marca de 500 mil mortos pela pandemia fica difícil evitar a situação de país tóxico no cenário internacional. As agressões contra a China continuam no momento em que a vacinação patina no Brasil em razão da falta de insumos e vacinas importadas.

Na contramão do mundo, em políticas públicas de saúde, discute-se a desobrigação de máscaras para quem se vacinou ou contraiu Covid-19. Nessas circunstâncias, afigura-se cada vez mais complicado evitar a pecha de país tóxico para o planeta, e de centro disseminador de epidemia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários