null
Divulgação / embaixador Cesário Melantonio Neto
undefined


Na democracia temos de ser responsáveis  pelas outras pessoas como ensinaram os antigos gregos. Uma política externa democrática deve ajudar a diminuir a desigualdade social no Brasil, pois se a República não acabar com a desigualdade, esta pode inviabilizar a República.

A dimensão social também faz parte da política internacional e deve ser parte da agenda prioritária dos ministérios de relações exteriores . O Itamaraty perdeu essa dimensão social nos últimos dois anos e ainda há tempo para recuperar o espaço perdido.

Dessa dimensão social da política externa, faz parte a conservação do meio ambiente. Precisamos deixar de lado a ideia de que a conservação ambiental é um obstáculo ao desenvolvimento econômico. A política ambiental brasileira parece ter se tornado algo absurdo e inaceitável pelos nossos principais parceiros.

Leia também

Hoje, a separação entre as políticas interna e externa diminuiu, e a primeira impacta cada vez mais a segunda afetando negativamente a imagem internacional do Brasil.

Todos os dias há repercussão no plano internacional negativa e recorrente de atitudes não democráticas do executivo brasileiro.

Você viu?

Temas como a pandemia, os direitos humanos, a Amazônia, o funcionamento do sistema judicial, o papel dos militares, a crescente pobreza, a criminalidade, e outros, são discutidos diariamente, na mídia mundial, sem que haja uma preocupação maior com os danos importantes que políticas públicas nefastas causam ao prestígio internacional brasileiro.

O isolamento internacional nos últimos dois anos fez o Brasil perder espaço exatamente no momento em que se verifica um reposicionamento de forças entre as grandes potências.

A recuperação dessa posição perdida é essencial para voltarmos a participar ativamente da vida internacional.

Mas, as pressões gratuitas, contra a comunidade internacional, têm de cessar por não auferir nenhum dividendo, mas só prejuízos para o país. Com os valores democráticos recuperados, é possível dar vida nova à política exterior destruída por devaneios medievais e teológicos.

Sem democracia, afigura-se difícil a reconstrução e recuperação do prestígio abalado por uma administração desastrosa no Itamaraty. Democracia no plano interno ― dentro da instituição ― e externo é o remédio para combater os não democratas imbuídos do autoritarismo e intolerância contra os colegas.

Reconciliação pode ser a palavra-chave para retomar as nossas antigas e perenes tradições diplomáticas e partir em direção à renovação e recuperação do patrimônio diplomático perdido.

Como dizia o ex-chanceler Azeredo da Silveira, a melhor tradição do Itamaraty é saber renovar-se a cada momento.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários