Jogadores das séries A e B do Campeonato Brasileiro preparam novos protestos – dentro e fora de campo – contra mudanças na Lei Pelé em tramitação no Congresso, tidas como ‘reformas trabalhistas’ do futebol.

Leia também: Congresso avalia PEC que extingue auxílio-moradia para procuradores e juízes

Fracionamento da folga semanal e das férias, divisão do salário em direitos de imagem e o fim do percentual de benefício pago com as transmissões de TV, pontos que podem ser alterados, desagradam aos atletas.

Leia também: TCU vê rombo de R$ 200 bilhões na Previdência Social

“As reformas no futebol vão atingir os jogadores mais pobres (82% dos boleiros profissionais no país recebem até mil reais), que são verdadeiros operários da bola”, aponta o presidente da Federação Nacional de Atletas de Futebol, Felipe Leite.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários