O caso do frei Gilberto, de Belisário, distrito de Muriaé (MG), ameaçado por donos de propriedades por pregar direitos dos lavradores mexeu com o projeto eleitoral de Lula da Silva.

Leia também: Capitaneado pela primeira-dama, Criança Feliz não decola

undefined
Silvan Alves
Secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, e o frei Gilberto, durante encontro nesta terça-feira (14)

O ex-presidente telefonou para o governador Fernando Pimentel e pediu providências de proteção ao religioso. Pimentel incumbiu Nilmário Miranda – seu secretário de Direitos Humanos no Estado, e ex-ministro de Lula no mesmo tema – de ir à cidade dar apoio ao frei.

Em suma, Lula sendo Lula, solidário. Mas há por trás dessa bondade o projeto eleitoral.

Lula e Pimentel sabem que o petista lidera as intenções de votos se a eleição presidencial fosse hoje, e Minas tem o terceiro maior colégio eleitoral do País, e aparecer com atos solidários em momentos assim dá pontos.

Leia também: Tribunal de Contas dos Municípios  do Ceará fecha atendimento a público

O frei Gilberto foi ameaçado por desconhecidos no pequeno distrito. Seriam, investiga a polícia, a mando de donos de sítios que negociam propriedades com mineradora. O religioso defende o emprego de lavradores e seus direitos trabalhistas.

Lula e Nilmário têm sina com religiosos. Em 2005 – por outro motivo – tiveram de driblar a greve de fome de Dom Luiz Cappio contra a transposição do rio São Francisco.

    Leia tudo sobre: Lula

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários