Nos corredores do Planalto, Senado e Câmara o clima é o mesmo: de expectativa e apreensão com a iminente divulgação da segunda e temida lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de políticos envolvidos no “Propinobrecht”. 

Leia também: Rede quer ter Joaquim Barbosa como candidato a presidente

undefined
José Cruz/Agência Brasil - 7.12.16
Procurador-geral da República, Rodrigo Janot irá trabalhar nos pedidos de investigação contra os políticos e empresários citados

Janot vai recomendar a quebra de sigilo do processo para mostrar que há “evidências contundentes de envolvimento dos acusados no esquema de desvio de recursos”, garante uma fonte da PGR.

 O procurador-geral também deverá solicitar ao Supremo Tribunal Federal o cumprimento de mandados de busca e apreensão, além de quebras de sigilos telefônico e bancário.

Enquanto auxiliares concluem os pedidos de investigações contra políticos,  o PGR  mantém a rotina. Na segunda, no Seminário de Cooperação Franco-Brasileira sobre Combate ao Tráfico de Entorpecentes, apesar da pressão evitou falar sobre Lava Jato.

Leia também: Câmara cobra de chanceler notícia dos brasileiros desaparecidos no Caribe 

Barril de pólvora

O presidente Michel Temer pretende fazer pronunciamento logo após a divulgação da lista de ministros e políticos envolvidos no esquema de pagamento da Odebrecht.

Resta saber se cumprirá promessa de afastar “provisoriamente” os chefes de pastas.  

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários