Tamanho do texto

Troncos, cativeiros, castigos físicos, violência, assassinatos... A Lei Áurea assinada pela Princesa Isabel em maio de 1888 marcou mesmo o fim da escravidão? E aí: afinal, o que mudou? A Princesa Isabel teve "boa intenção", mas a Lei não foi respeitada? Estamos livres? Dê a sua opinião!

O ator Alessandro Marba está entre os entrevistados da Afro Igualdade
Divulgação
O ator Alessandro Marba está entre os entrevistados da Afro Igualdade

"O desejo de liberdade se fez presente desde o momento do nosso aprisionamento. Porém, a decisão política da abolição da escravatura, motivada por fatores econômicos, assinada por Vossa Alteza, teve relevantes consequências sociais. As pessoas continuaram vivendo de forma semelhante àquela em que viviam na escravidão. Estamos em 2017 e 129 anos se passaram, mas a forma como se desenvolveu este processo da Abolição se gestou também a forma de inclusão do negro na sociedade e como você poderá comprovar Excelentíssima Senhora (Princesa Isabel), nada foi compreendido sobre o que é a liberdade. Afinal o que é a liberdade neste contexto? A abolição da escravatura não criou as condições para que os antigos escravizados pudessem alcançar a igualdade. E, por isso, continuamos a sofrer com esta desigualdade. Esta foi a nossa herança social negativa e vivemos num mundo repleto de atitudes, comportamentos e pensamentos arcaicos em relação à cor de nossa pele. O preconceito racial foi se transformando ao longo do tempo, o racismo adquiriu novos contornos, enraizamentos e justificativas. Como digo no texto da peça Baquaqua – Documento Dramático Extraordinário: – 'Estamos em pleno mar.'
ALESSANDRO MARBA , ator

Diana Marylin
Divulgação
Diana Marylin

"Oi princesa Isabel ! Quantos anos, que honra poder dizer como ficaram as coisas para você pessoalmente! Quero lhe agradecer pelo que fizeste a nós. Graças a você hoje sou uma mulher negra livre, posso ir e voltar para onde e quando quiser, conquistei minha graduação e minha profissão e tenho em mente outros projetos, não foi fácil, tive que me desdobrar, economizar, enfrentar preconceitos para alcançar meus objetivos. Você me faz entender que a gente é livre para fazer o que quiser, basta ter vontade e a perseverança de querer mudar. Imagino como deve ter sido difícil para você numa época em que mulher deveria ficar calada e obedecer... Enfrentou tudo e a todos tomando uma revolucionária decisão que mudou a vida de meus antepassados chegando até a mim. No mundo atual ainda existe preconceito, mas dá para dar um tapa na cara dessa sociedade preconceituosa. Como posso? Vou te falar! Mostrando que, embora a sociedade me julgue incapaz devido a minha cor, credo e classe social, sou capaz sim de conquistar mais ideais e conseguir o que quero graças a você, sei que não dá para mudar o começo ( escravidão ) que foi muito triste e humilhante, mas se a gente quiser dá para mudar o final da história!"
DIANA MARYLIN , bancária

Leia também: A "luta" continua: negros que estão vencendo o preconceito

JOÃO PAULLO RODRIGUES, auxiliar administrativo
Divulgação
JOÃO PAULLO RODRIGUES, auxiliar administrativo

"Diria que ela fez um marco na história da humanidade, só que nos dias de hoje sabemos que ainda existe muito trabalho escravo. Estamos vivendo numa sociedade que precisa ser reeducada. Temos muitos índices de assassinato, maus-tratos e muito trabalho escravo. Precisamos que as autoridades sejam mais rígidas e passem a monitorar isso mais de perto. Sabendo que isso não é fácil, é um longo trabalho pela frente. Acho que anos e anos. Mas com a ajuda de cada um denunciando as autoridades competentes teremos uma mudança maior na nossa sociedade. Princesa Isabel deu um grande passo, mas é necessário que nós continuemos nessa longa caminhada em busca de nossos direitos por uma sociedade melhor. Mas diria que sou grato pela intenção."
JOÃO PAULLO RODRIGUES , auxiliar administrativo

LENNY BUZZA, modelo e empresária
Divulgação
LENNY BUZZA, modelo e empresária

"Com a aprovação da Lei Áurea, surgiu um movimento que exigia que o governo 'indenizasse' os senhores que haviam perdido seus escravos. Essa Lei foi a forma que os senhores, donos de fazenda, encontraram para jogar na rua os velhos escravos, doentes e impossibilitados de continuar gerando riquezas para os donos, surgindo assim os primeiros registros de mendigos na ruas do Brasil. A grande intenção da sociedade branca era excluir, marginalizar, afastar o negro do direito à terra, à educação, aos cuidados na infância e velhice. Como uma pessoa com mais de 60 anos poderia ficar livre? Como sobreviver nessas condições? A partir do dia 13 de maio de 1888, os negros viveriam da própria sorte, passariam a conviver com o desemprego, com a informalidade, marginalidade, favela, ou seja, foram jogados à liberdade, ficaram à mercê da própria sorte. Que liberdade é essa? O que mudou de lá para cá? Será que mudou apenas o opressor? A real verdade é que a senzala do século XXI são as favelas, as cadeias, a mendicância, o subemprego, o desemprego, a esmola, o crime... Não temos que endeusar a princesa Isabel como algumas pessoas querem. Ela não assinou a Lei Áurea por vontade própria. Se dependesse dela talvez a escravidão no Brasil teria ido mais longe. O dia 13 de maio de 1888 é uma data importante para todos os afrodescendentes, mas não deve ser considerado uma vitória e servir de reflexão, pois infelizmente o país não está livre dessa desigualdade racial."
LENNY BUZZA , modelo e empresária

KAUAN DIAS, cabeleireiro
Divulgação
KAUAN DIAS, cabeleireiro

"O que mudou nesses 129 anos? Mudou muita coisa, a partir da Lei, acredito que serviu pra algo... Livres? Não, em todo lugar TEM PRECONCEITO, sempre tem alguém te olhando 'FEIO', EU, por exemplo, por ser negro e homossexual, sinto o preconceito duas vezes mais. Mas eu sou FELIZ e agradeço sempre a DEUS, pela minha cor e minha orientação sexual.
Se ela teve boa intenção, acredito que sim, ela só quis ajudar, mas para nós negros a Lei não existe. Infelizmente, essa é a nossa REALIDADE!"
KAUAN DIAS , cabeleireiro

NANA ANJOS, bailarina, capoeirista e modelo
Divulgação
NANA ANJOS, bailarina, capoeirista e modelo

"Se eu encontrasse a Princesa Isabel ia começar cantando uma música de capoeira, do Toni Vargas, que a minha mãe canta sempre: 'Dona Isabel que história é essa/de ter feito a abolição/de ser princesa boazinha...' O que adiantou assinar uma Lei e não dar nenhum auxílio para o negro sobreviver? Nos jogaram às margens da sociedade, continuamos comendo migalhas que caíam da mesa do senhor. Só mudaram os feitores, os troncos, os cativeiros... Mas nosso sangue de guerreiros não nos deixa derrotar. Estamos a cada dia conquistando nosso espaço que é de direito. Hoje o 'preto' e o 'branco' são chamados de doutor.
NANA ANJOS , bailarina, capoeirista e modelo

Leia também: "Negro" ou "Preto"? Qual o termo mais adequado?

JADSON SANTOS, modelo
Divulgação
JADSON SANTOS, modelo

"Como a educação faz parte do meu dia a dia, agradeceria, inicialmente, pela intenção, mas, ao longo da conversa, mostraria reflexos de que a Lei não foi respeitada. E aproveitaria para entender melhor qual o objetivo dessa Lei... Precisamos é de igualdade, não só racial, mas também social. Queremos oportunidade, precisamos de representatividade."
JADSON SANTOS , modelo, vencedor do concurso Beleza Black 2017

VINICIUS RIGOLETTO, produtor cultural
Divulgação
VINICIUS RIGOLETTO, produtor cultural

"Os impactos de quase quatro séculos de escravidão continuam presentes na sociedade brasileira. É triste dizer que ainda há em nosso país relações raciais muito assimétricas, com camadas populares majoritariamente formadas por negros condenados à exclusão social. 70% das pessoas que vivem em situação de extrema pobreza no Brasil são negros e que o salário médio da população negra no país é 2,4 vezes mais baixo que o dos brancos. Além disso, 80% dos analfabetos brasileiros são negros e mais de 40% das vítimas de homicídios no país são negros. Por tudo isso, 13 de maio deve ser um dia de luta e consciência, muito mais do que de comemoração."
VINICIUS RIGOLETTO , produtor cultural

DANYELLE ARAÚJO, estudante
Divulgação
DANYELLE ARAÚJO, estudante

"Quando a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, ela teve sim boa intenção, mas o mundo ainda continua preconceituoso e machista. As pessoas não respeitam as diferenças. Sem falar que vivemos em um mundo bastante violento, onde agressões e mortes são frequentes... O que mudou foi o fato de hoje em dia no nosso país não existir trabalho escravo (em alguns casos), mas as pessoas continuam prisioneiras da sua própria identidade."
DANYELLE ARAÚJO , estudante

CLEBER ROBERTO NASCIMENTO, vice-diretor de Escola Pública
Divulgação
CLEBER ROBERTO NASCIMENTO, vice-diretor de Escola Pública

"Perguntaria: 'pra que libertar sem dar condições alguma de sobrevivência?' E tentaria entender essa ideologia de libertação onde o negro liberto, no outro dia não tinha o que comer, onde trabalhar, onde viver e condição alguma de sobreviver dignamente como é direito de todo ser humano..."
CLEBER ROBERTO NASCIMENTO , vice-diretor de Escola Pública

EDILENE ZURC, modelo
Divulgação
EDILENE ZURC, modelo

"Agradeceria a boa intenção, mas aproveitaria para tentar entender o porquê da demora para essa Lei ser assinada. E o pior: até hoje não foi respeitada. Agradeceria mais uma vez após ouvir a explicação e mostraria, através de fatos, a realidade que ainda vivemos hoje. Em seguida, questionaria: 'o que mudou?' Seria o momento ideal para reavaliarmos a Lei Áurea..."
EDILENE ZURC , modelo, vencedora do concurso Beleza Black 2017

Sirlei Pinto
Divulgação
Sirlei Pinto

"Quero agradecer sua intenção, se não fosse por você, talvez nesse momento eu nem estivesse aqui ou estivesse sendo espancada em alguma fazenda. Mas de qualquer forma, hoje com a liberdade concedida, consigo andar nas ruas, como cidadã, sentar em qualquer lugar e dar minha opinião na política e na minha vida. Porém, ainda sou marginalizada e escravizada pelos olhares e algumas palavras mal colocadas... De qualquer forma agradeço, vou continuar lutando, afinal não é só essa batalha da vida. Esta é só mais uma, ser negro é um orgulho e também um desafio e isso é para os fortes. Sou uma escolhida!"
SIRLEI PINTO , assistente administrativo

Leia também: Cabeleireiro das estrelas: conheça Wilson Eliodorio

LURIAS SILVA, modelo
Divulgação
LURIAS SILVA, modelo

"A sua Lei mudou muitas coisas. Porém, ainda existem muitas pessoas sendo escravizadas. E algo não ficou claro porque continuamos vivendo em um mundo muito racista e preconceituoso."
LURIAS SILVA , modelo

TAIULA OLIVEIRA, técnica em enfermagem
TAIULA OLIVEIRA
TAIULA OLIVEIRA, técnica em enfermagem

"A Lei existe, mas ninguém respeita. Estamos vivendo em um mundo onde não há respeito. Onde está o direito de igualdade? Ela não prestava atenção no sofrimento que as pessoas passavam... E ainda passamos... A minha pergunta para ela seria: 'Por que demorou tanto para assinar a Lei?"
TAIULA OLIVEIRA , técnica em enfermagem

CINTHYA DE PAULA, personal trainer e modelo
Divulgação
CINTHYA DE PAULA, personal trainer e modelo

"No meu campo de visão sobre o assunto abordado, a Princesa Isabel, quando assinou a Lei Áurea, estava disposta a decretar não somente o fim da desigualdade, como também a liberdade de caminharmos todos juntos sem que houvesse qualquer diferença moral ou física (cor da pele, textura do cabelo e nível intelectual)... Acredito que foi para fortalecer a condição de nos aproximarmos e termos as mesmas oportunidades, de sermos apresentados ao mundo. Costumo dizer que todos deveríamos, e ainda devemos, ser orientados desde a infância e se estendendo pelo nível educacional... Ainda vivemos uma opressão e uma falta de amor com aqueles que não enxergam com os olhos do coração... Temos a nossa própria identidade ainda que infelizmente não respeitada. Existiu uma história e fizemos parte, mas para muitos ela ainda persiste... Querem nos humilhar, difamar e descaracterizar... Não estamos livres porque ainda falta não somente a Lei, mas o amor e o respeito sempre..!"
CINTHYA DE PAULA , personal trainer e modelo

Anderson Nery, modelo e vigilante
Divulgação
Anderson Nery, modelo e vigilante

"Primeiramente, agradeceria sim. Ela teve boa intenção ao tentar acabar com a escravidão. Explicaria que algumas coisas mudaram, mas continuamos como reféns do racismo, do preconceito e da discriminação. Ou seja: a nossa luta continua e a escravidão também. As pessoas precisam ter mais amor ao próximo, independentemente da cor da pele..."
ANDERSON NERY , modelo e vigilante

JESSICA ASSIS, estudante
Divulgação
JESSICA ASSIS, estudante

"Infelizmente a escravidão humana sempre existiu ao longo da história. O Brasil segue com uma imensa dívida social com os negros e fica claro que a Lei Áurea apenas resolveu parte de um problema e criou outros. Hoje, falta igualdade de condições reais em todos os sentidos para os negros. É preciso aprender a conviver com as diferenças. Igualdade a partir do respeito e do amor."
JESSICA ASSIS , estudante

DÉBORA DE OLIVER, consultora de vendas
Divulgação
DÉBORA DE OLIVER, consultora de vendas

"Acredito que ela teve 'boa intenção', mas a Lei não foi respeitada!, pois, infelizmente, o Brasil é um país que tem que ter cota de negro pra tudo!!! Qual a vantagem dessa Lei?! Não somos tratados com igualdade e respeito!".
DÉBORA DE OLIVER , consultora de vendas

TATY GODOI, atriz
TATY GODOI
TATY GODOI, atriz

"Obrigada Princesa Isabel por ter cedido a pressão dos abolicionistas e ter assinado a Lei Áurea, mesmo porque já estava em declínio a escravidão e a senhora só assinou, pois estava sendo pressionada e não por bondade... NADA MUDOU, pois os Negros foram abandonados à sua própria sorte, não tendo emprego, nem moradia, nem dinheiro. Costumo dizer que as antigas senzalas se transformaram nas favelas de hoje e os antigos troncos são as balas 'perdidas' da polícia. Sim... Se passaram 129 anos e nós ainda não temos oportunidades iguais e vivemos a margem da sociedade..."
TATY GODOI , atriz

Leia também: Racismo virtual. Como "deletar" os ifratores

A manicure Maria Flor deu sua opinião sobre o que falaria para a Princesa Isabel
Divulgação
A manicure Maria Flor deu sua opinião sobre o que falaria para a Princesa Isabel

"Tem mais de 100 anos que torço para este encontro, como vai querida???? Olha depois de 13 de maio de 1888 o que mudou para nossa raça foi muito pouco. Tanto foi que nós precisamos mudar a data da nossa abolição para o dia 20 de novembro – Dia da Consciência Negra – morte de Zumbi. Por que o governo do seu avô e pai mantiveram a escravidão no Brasil durante todo o período da monarquia? Ainda hoje sofremos preconceito, racismo e desprezo pela sociedade 'branca' deste país. As elites governam o meu país desde 1500 e fazem questão de nos relegar a uma insignificante participação na história. Quantos escravos servia a senhora e família nos seus palácios? Por onde andava o seu pai no dia da assinatura da Lei Áurea? Por que ele delegou a você esta 'façanha' e não ele? Sabe o que restou para mim vivendo neste país? Veja bem: NEGRA, POBRE, MÃE SOLTEIRA, VIÚVA E HOJE COM TRÊS FILHOS QUE TAMBÉM JÁ PROVARAM O VENENO DO PRECONCEITO E RACISMO. Quando afinal iremos nos libertar das correntes e do desprezo? Depois da Lei Áurea foram criadas várias Leis que condenam o racismo no Brasil e tornou-se crime, mas me aponte onde no Brasil tem um racista preso. Querida princesa, os seus descendentes fazem parte da elite e os meus continuam marginalizados e, como eu, lutando pela nossa dignidade."
MARIA FLOR, manicure e designer de sobrancelhas

Uberlan Pereira
Divulgação
Uberlan Pereira

"...a Lei Áurea só foi assinada por pressão dos países europeus com a intenção de criar um novo consumidor para os seus produtos, mas a elite brasileira tinha a intenção de eliminar os pretos aos poucos, já que representamos uma​ parte do Brasil que eles queriam deixar para trás..."
UBERLAN PEREIRA , gestor Logístico e técnico em compras

DISQUE 100. DENUNCIE!
O Disque 100 é um serviço de atendimento telefônico gratuito, que funciona 24 horas por dia, nos 7 dias da semana. As denúncias recebidas na Ouvidoria dos Direitos Humanos e no Disque 100 são analisadas, tratadas e encaminhadas aos órgãos responsáveis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.