Bispo Abner Ferreira
Bispo Abner Ferreira
Bispo Abner Ferreira

Embora o termo seja polissêmico, cheio de significados para se adequar conforme o contexto, abraçar pode ser entendido simplesmente como a ação de apertar com os braços. No entanto, esse gesto que parece simples, pode ajudar muito. Usado com eficácia terapêutica em muitos países, o abraço pode curar. Existem alguns fatos que a ciência já comprovou sobre o abraço: O primeiro é sobre o abraço de mãe, cujo poder alivia o estresse de um filho, aumentando o nível de oxitocina, mais conhecido como o “hormônio da felicidade ou o "hormônio do amor".

O segundo fato foi confirmado pela Universidade Médica de Viena, na Áustria, a qual teve a grata felicidade de comprovar, através dos estudos liderados pelo neurofisiologista Jürgen Sandkühler, que o abraço pode reduzir a pressão arterial e melhorar a memória. Mas, segundo o estudioso, o abraço só surtirá o efeito mencionado se vier de alguém em quem se confia. Somente assim a oxicitocina será liberada no organismo; reduzindo a pressão arterial e diminuindo a ansiedade e o estresse.

Outro estudo, da psicóloga Karen Grewn, na Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, certificou que os efeitos do abraço podem aliviar a dor. O estudo foi realizado com mulheres que tinham problemas de enxaqueca, cujos relatos narraram melhoras consideráveis em suas dores de cabeça após terem sido abraçadas. A Dra. Keren concluiu que, primeiramente, o cérebro recebe os sinais de refrigério, e que a sensação de dor vem depois do alívio.

A University of Missouri, nos Estados Unidos, realizou um estudo, através do qual comprova que pessoas com dificuldades para se comunicar verbalmente, expressando suas emoções e sentimentos, sentem-se acolhidas pelo abraço. O termo técnico para este problema é alexitimia; isto não é considerado uma doença mental, trata-se de uma característica funcional do sistema nervoso do ser humano, o qual não consegue expressar seus pensamentos em palavras.

Da mesma forma a revista científica Personality and Individual Differences divulgou um estudo realizado em 2011 por seus pesquisadores, no qual foram avaliadas novecentas e vinte e uma pessoas que apresentavam alexitimia, isto é, apresentavam dificuldade para expressar em palavras seus sentimentos e emoções, comprovando que elas liberavam hormônios que aliviavam o estresse, quando eram abraçadas.

A ciência já comprovou a eficácia do abraço, mas será que ele é praticado? O abraço expressa amor, e é muito importante que as pessoas se sintam amadas. O abraço faz com que o cérebro libere serotonina e dopamina, que são os hormônios ligados ao prazer e ao bem-estar. Outro grande benefício do abraço, é que ele pode liberar o perdão. Muitas pessoas que eu conheço gostariam de ter uma última oportunidade para abraçar e perdoar alguém que já se foi.

Quando olhamos para a Cruz do calvário, vemos Jesus de braços abertos; simbolizando o grande amor de Deus; oferecendo-nos seu abraço de salvação e vida eterna. Na Bíblia, em Lucas 15, existe uma história muito bonita sobre o Filho Pródigo, que recebeu do pai um abraço apertado depois de muito tempo longe. O abraço caloroso indicava-lhe aceitação, aconchego, misericórdia e proteção. Era tudo o que o jovem precisava naquele momento. Ainda hoje muitos precisam abraçar e serem abraçados. Deus te abençoe!

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários