ibama desmatamento amazônia
Divulgação/Imazon
Desmatamento na Amazônia foi pior em novembro de 2019 do que em novembro de 2018

As multas por infrações ambientais aplicadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) recuaram em 34% em 2019, primeiro ano de gestão de Jair Bolsonaro (sem partido).

Leia mais: Tartarugas sentem atração mortal pelo cheiro de plástico podre, diz estudo

Os dados são uma comparação com o ano de 2018 e representam a menor quantidade em 24 anos. As infrações representaram um total de R$ 2,3 bilhões em 2019, já em 2018, o valor era de R$ 4,09 bilhões.

Ao todo, foram registradas 9.745 autuações em 2019, enquanto em 2018 ocorreram 14.699, segundo dados coletados pela Folha de São Paulo. Os números encolheram em um momento de devastação récorde da Amazônia

O ano com maior desmatamento foi 1995, com 4.586 autuações. As reduções nos números estão ocorrendo desde 2009, mas com percentuais menos acentuados que os de 2019. 

Em abril de 2019, o presidente Jair Bolsonaro editou um decreto que pretende criar uma câmara de conciliação ambiental com poderes para analisar, reduzir o valor e até anular multas aplicadas pelo Ibama. Até o momento, quatro superintendências do Ibama estão sem chefia.

Leia também: Um ano após massacre, escola em Suzano será reaberta com medidas de segurança

A perspectiva é que o número de multas aplicadas pelo Ibama siga reduzindo ao longo dos anos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários